Arroz Doce da Minha Mãe [TEKA - Uma Receita Para a Vida]


Cada vez mais me convenço que a cozinha é sem dúvida alguma o coração da casa. É nela que tudo gira sendo o centro de toda a vida familiar. Ali "cozinha-se a vida" e são criadas as mais profundas memórias. É como um laboratório de experiências, no qual criamos as nossas refeições, alimentamos o corpo, a mente e a alma, acompanhados da família e dos amigos. Todas elas são diferentes, umas maiores outras mais pequenas, mas todas especiais. Hoje em dia as cozinhas são espaços de convívio, sendo projectadas não apenas como o local onde se cozinha mas como o espaço ideal de partilha de afectos, um espaço onde se cozinham muito mais que alimentos ou se prepara apenas comida. A cozinha é o espaço ideal para todo o tipo de famílias criarem memórias inesquecíveis, onde se cozinham experiências repletas de amor e emoção. 


"Uma Receita Para a Vida"

A TEKA lançou recentemente este vídeo que representa o que descrevi anteriormente. Adoro o vídeo, não só porque me relembra o quão importante é a família mas também porque me leva a viajar até às minhas memórias de infância, aos momentos que eu passava na cozinha com a minha mãe a confeccionar receitas. Ainda hoje guardo na memória o cheiro do pão acabado de fazer no forno de lenha. Da "sopa de entulho" que era feita ao lume e preparada com tanto amor, logo pela manhã, na panela de ferro. E claro, do arroz doce feito por ela e do cheiro a canela que ficava no ar. O que adorava rapar o fundo do tacho com uma colher e ser enxotado com carinho! A cozinha é mesmo um espaço de amor.


Independentemente do que acontecer e do nosso percurso ao longo da vida, há sabores que nunca vamos esquecer e que iremos guardar com carinho na memória. Esse sabor para mim é o do arroz doce. Posso afirmar que é a receita da minha vida e é desde sempre a minha sobremesa preferida. Assim como a indispensável canela que o acompanha é a minha especiaria preferida. São aquelas memórias de infância que ficam para sempre, que nos trazem alguma nostalgia e que foram criadas com tanto amor e carinho. Vi tantas vezes a minha mãe fazer esta receita que praticamente a sei de cor. Não existem quantidades certas, pois era feita a olho, mas saía sempre bem. E por mais que tente, o meu arroz doce nunca será igual ao dela. Falta ali aquela pitada de amor, o afecto materno e o toque de magia que só as mães sabem colocar em cada prato que fazem. 




Arroz Doce da Minha Mãe

Ingredientes:
| 150 g de arroz carolino (eu uso arbóreo)
| 400 ml de água
| 1 pitada de sal 
| 1 litro de leite meio gordo
| 150 g de açúcar amarelo
| 3 cascas de limão (só a parte amarela)
| 1 pau de canela
| 3 gemas de ovo
| canela em pó para servir

Preparação:
1 . Leve um tacho ao lume com a água, o sal, as cascas de limão e o pau de canela. Quando começar a ferver junte o arroz e deixe cozinhar até toda a água ter sido absorvida.

2 . Aqueça o leite e aos poucos vá adicionando pequenas quantidades de leite ao arroz, mexendo sempre e em lume brando. Mexa sempre até obter um arroz bem cremoso, nem muito liquido nem muito sólido.

3 . Retire o tacho do lume, remova as cascas de limão e o pau de canela e adicione o açúcar. Mexa de forma a que o açúcar fique bem envolvido no arroz.

4 . Coloque as gemas numa tacinha e junte 3-4 c. (sopa) de arroz. Mexa rapidamente para incorporar. Adicione agora as gemas ao restante arroz e leve de novo ao lume mexendo durante 1-2 minutos até obter a cremosidade desejada.

5 . Distribua o arroz por tacinhas ou coloque numa travessa e deixe arrefecer. Na hora de servir polvilhe com canela em pó.








3 comentários:

  1. Olá Celio,
    Por incrível que parecça também tenho um arroz pelo qual morria de amores. O da minha avó materna. ela ainda é viva mas a mão para a cozinha já vai falhando pelo que me fico pelas memórias do seu arroz. não tinha nada de mais, nem taão pouco ingredientes diferentes, mas acho que o facto de o fazer sempre com o mesmo tipo de arroz e o mesmo tipo de leite, o sabor do arroz dela, era o sabor que, para mim, o arroz doce deveria ter. ela fazia-o bem branquinho mas usava ovos, não me perguntes como ficava dessa cor porque os ovos eram caseiros e de gema bem amarela. O que é certo é que cada vez que o fazia e o colocava em pequenos pratinhos no armário da cozinha, apareciam vizinhas de todo o lado, vindas sabe-se lá de onde , mas por certo vinham ao cheiro doce. já tentein replicar mas nunca fica igual ou sequer parecido, pois para além do tal leite e arroz a mão dela colocava amor no arroz e apesar de eu também colocar amor no que faço cada pessoa tem o seu toque especial.

    Bjinhos,
    Rita

    ResponderEliminar
  2. É daquelas coisas que adoro , mas muito raramente faço.
    Esta com um aspecto maravilhoso.

    ResponderEliminar
  3. Ficou bem amarelinho,...e quentinho é tão bom!
    Beijinhos,
    Espero por ti em:
    strawberrycandymoreira.blogspot.pt
    http://www.facebook.com/omeurefugioculinario
    https://www.instagram.com/marysolianimoreira/

    ResponderEliminar