Biscoitos de Alecrim e Limão


O meu primeiro contacto com ervas aromáticas foi há muitos anos, ainda em criança, com a erva cidreira que crescia em abundância nas traseiras da casa dos meus avós. Formava um manto verde, juntamente com a hortelã que, aqui e ali, se confundia com as urtigas que nasciam como uma praga. Perdi a conta às vezes que fui picado por elas quando, juntamente com a minha avó, apanhávamos a erva cidreira que ela metia a secar para mais tarde usar para fazer chá. Mas também havia salsa. E esta sim, talvez fosse a erva aromática mais comum de encontrar por ali, logo a seguir ao alecrim. Qualquer canteiro, qualquer vaso vazio, serviam para plantar um pé de salsa. Esta era uma erva muito usada, tanto nos refogados como para fazer marinadas para temperar as carnes. Também havia o manjericão,  que todos os anos era religiosamente semeado pela minha avó e mais tarde pela minha mãe, com as sementes que elas guardavam do ano anterior. No auge da Primavera era vê-los crescer em vasos e canteiros e sentir o ar perfumado do cheiro que emanava das suas folhas. No entanto, esta era apenas uma erva de cheiro e não me lembro de alguma vez ter sido usada para cozinhar, durante a minha infância. Mal eu sabia que mais tarde viria a conhecer o famoso pesto, tão usado na cozinha italiana e feito à base de manjericão. Hoje não dispenso esta erva para fazer um delicioso molho de tomate, para finalizar uma pizza ou aromatizar bebidas.


Mais tarde e através do meu pai, vim a conhecer o coentro. E o que eu detestava coentros! Não suportava o cheiro e muito menos o sabor. O meu pai usava os coentros em abundância na salada e eu fazia sempre cara feia ao vê-lo deliciar-se a comê-los. Ironia do destino, com o passar dos anos os nossos gostos, bem como o paladar, vão-se alterando e aos poucos eu fui aprendendo a gostar de coentros. Hoje confesso que é das minhas ervas aromáticas preferidas ou mesmo a preferida. Já não os dispenso cá em casa e uso-os praticamente em tudo. Adoro o sabor que eles conferem a alguns pratos e a frescura que dão às saladas. Afinal o meu pai tinha mil razões para saborear com deleite as saladas preparadas por ele e que durante anos eu desdenhei. 
Também gosto de alecrim, uso-o bastante em assados de carne e para temperar batatas. Gosto do seu aroma cítrico, quente e apimentado. Para além de que tem uma flor linda! É óptimo para aromatizar bebidas mas também funciona bem com sobremesas. Experimentem esta tarte ou este bolo e vejam se eu não tenho razão!

Desta vez experimentei usar o alecrim para aromatizar uns deliciosos biscoitos amanteigados. Ficaram tão gulosos que desapareceram num instante. São muito fáceis de fazer e ficam perfeitos a acompanhar uma chávena de chá ou para saborear juntamente com um café. Esta é mais uma receita que preparei em colaboração com o site Alegro para acompanhar o artigo mensal, desta vez intitulado "Ervas Aromáticas: Benefícios, Propriedades e Receitas". Neste artigo, que podem ler na íntegra aqui, para além desta receita deliciosa, dou-vos ainda a conhecer algumas das propriedades das ervas aromáticas bem como as suas aplicações no mundo da culinária. 


(artigo mensal escrito em colaboração com o site Alegro)

Ervas Aromáticas: Benefícios, Propriedades e Receitas


As ervas aromáticas são imprescindíveis nas nossas cozinhas. Fazem a diferença em qualquer prato, tornando-o mais saboroso e aromático. É importante, na hora de cozinhar, saber qual a erva aromática que deve escolher e qual a quantidade a usar. As ervas aromáticas devem acompanhar o prato, realçando o sabor característico de cada alimento. Para além de tornarem os pratos mais apetitosos, há outros benefícios nas ervas aromáticas, elas ajudam a fazer uma boa digestão e possuem propriedades nutritivas. Se não é apreciador de ervas aromáticas está na altura de mudar de opinião, pois os seus benefícios para a saúde são muitos e as receitas com ervas aromáticas são deliciosas.

O ideal é plantar em casa as suas próprias ervas aromáticas. Pode começar pelas que mais aprecia ou que usa com mais frequência. Esta é uma forma de garantir que as tem sempre à mão, na hora de cozinhar. São muito fáceis de cuidar, requerem pouco espaço para crescer, trazem mais cor e aroma às nossas casas e algumas até afastam os insectos. O único requisito é ter uma janela ou varanda que apanhe luz solar algumas horas por dia. E claro, não esquecer de as regar com frequência.

Ervas aromáticas como substituto do sal, sim ou não?!
O sal é um tempero que quando consumido em excesso pode causar danos na nossa saúde. Provoca a subida da pressão arterial, aumentando desta forma o risco de doenças do coração. Segundo a Direcção Geral de Saúde "a utilização de ervas aromáticas na redução da ingestão de sal na dieta poderá influenciar dupla e positivamente a saúde, quer pela redução da quantidade de sal nos alimentos, quer pelas propriedades (...)


(leiam o artigo completo aqui)


Receita com Ervas Aromáticas: Biscoitos de Alecrim e Limão

Ingredientes:
| 50 g de açúcar amarelo
| 125 g de manteiga à temp. ambiente
| 1 c (chá) de alecrim fresco picado
| 175 g de farinha s/ fermento                          
| 1 pitada de sal
| 1 c. (chá) de fermento em pó          
| 1 c. (chá) de pasta de baunilha
| raspa da casca de 1 limão

{para o glacé}
| 6 c. (sopa) de açúcar em pó
| sumo de 1/2 limão
| folhas de alecrim para decorar

Preparação:
1 . Pré-aqueça o forno a 200ºC.

2 . Numa taça bata o açúcar juntamente com a manteiga até obter uma mistura fofa e esbranquiçada. Junte o alecrim picado, a farinha e uma pitada de sal e misture bem até a massa formar uma bola.

3 . Forme 12 bolas com as mãos e distribua por uma forma de muffins anti-aderente. Pressione ligeiramente com as pontas dos dedos, dando o formato de uma bolacha.

4 . Leve ao forno durante 8-10 minutos. Retire e deixe os biscoitos arrefecerem na forma cerca de 10 minutos. Desenforme sobre uma grelha e deixe arrefecer completamente.

5 . Prepare o glacé, misture o açúcar com o sumo de limão até obter a consistência desejada. Espalhe o glacie sobre os biscoitos e decore com folhas de alecrim.

Guardar

Máquina de Café Miele CM 7500


A Miele é uma marca alemã de confiança com mais de 100 anos de existência e que desde a sua fundação, em 1899, mantém a promessa de qualidade "Immer Besser" que significa "Sempre Melhor". A Miele testa os seus produtos para uma vida útil de 20 anos, fazendo todos os esforços para ser sempre "Immer Besser". Desta forma vai ao encontro das exigências dos consumidores, tornando-os em clientes fiéis e que recomendam a marca como sendo a mais fiável e desejável no mundo.

Pensada para agradar aos amantes mais exigentes de café, a Miele está configurada para proporcionar grandes prazeres e acaba de reforçar a sua gama de máquinas de café com o lançamento do novo modelo CM7500, pertencente à série Miele CM7. Como grande apreciador de café que sou, tive recentemente o privilégio de poder conhecer de perto este modelo de máquina de café, bem como explorar todas as suas potencialidades. Com um design moderno e minimalista, esta nova versão conta com uma inovadora função One Touch For Two que permite em simultâneo a preparação de duas especialidades de café com um simples toque num botão. Com um painel digital CM Touch de uso fácil e intuitivo, este modelo consegue preparar até 20 bebidas diferentes, incluindo vários tipos de chá e, imaginem, até descalcifica automaticamente. Mas já lá vamos!


Quando é lançado um novo modelo de determinado segmento no mercado, automaticamente somos levados a compará-lo com o seu antecessor e a descobrir quais as diferenças significativas que o tornam especial e melhor. Estamos perante a máquina de café Miele CM7500, o modelo Premium da marca. O que distingue este modelo topo de gama dos anteriores é o facto de apresentar um depósito com uma capacidade de 2.2 litros de água, um recipiente para grãos de café ainda maior, uma pressão de 15 bares e um design super cuidado e elegante, construído com materiais de alta qualidade e acabamentos cromados. Para já, em Portugal, é possível adquirir este modelo na cor "negro obsidiana".

A Miele CM7 possui um moinho de café integrado que, apenas em alguns segundos e com um simples toque num botão, mói os grãos de café, proporcionando-nos uma experiência de degustação única de um café de qualidade ou outra bebida à escolha. De utilização simples e bastante intuitiva, esta é uma máquina de café com o sistema One Touch e o inovador One Touch For Two, que permite preparar dois cafés em simultâneo. 


Miele CM7500: Qualidade Acima de Tudo

As vantagens da Miele CM 7500 são muitas, por isso irei enumerar aqui apenas algumas delas, que considero serem as mais importantes. Esta é uma máquina totalmente automática que foge um pouco à linha doméstica de máquinas de café a que estamos habituados. Relembrando a promessa de "Immer Besser" da Miele, esta máquina de café reflecte a qualidade e excelência que a marca oferece.

A série Miele CM7 permite a limpeza de todos os componentes do leite com água do reservatório de água e é iniciada automaticamente após a preparação das especialidades de café com leite o que impõe um elevado padrão em termos de higiene. Este novo modelo possui ainda o AutoDescale, uma função que permite a descalcificação automática durante a noite, por exemplo, quando a máquina não está ser usada. O agente de descalcificação é distribuído através de uma recarga no lado traseiro da máquina, que tem a duração, conforme a utilização da máquina de café, entre 7 a 12 meses.  Um pormenor que reflecte a exclusividade de uma máquina de café Premium como esta é, por exemplo, o sistema BrilliantLight. Uma luz LED suave que destaca cada chávena e garante um ambiente agradável na cozinha. 

Tenho de destacar também o Modo Eco desta máquina, que permite a poupança de energia. A máquina activa o Modo Eco pouco antes do momento em que prepara a bebida. Este modo é livremente selecionável como função ideal e pode ser activado ou desactivado conforme desejado.


O bocal de saída de café é ajustável em altura, não sendo regulado manualmente como em qualquer máquina de café convencional, mas sim automaticamente. A máquina possui o CupSensor, um sensor que reconhece a altura da chávena ou copo que estamos a usar e coloca a saída central na posição correcta a uma altura entre 8 a 16 cm. Através da distância ideal são prevenidos salpicos e conseguimos a temperatura de café perfeita e um creme ideal. Após vaporizar o leite, a saída central desloca-se 1 cm para cima a fim de evitar uma contaminação.

O moinho de café, cónico e produzido em aço de alta qualidade, mói os grãos de café de forma protectora do aroma, permitindo uma moagem uniforme e precisa do café, que pode ser ajustada ao gosto de cada um.  Possui uma capacidade de armazenamento de 500 g de café em grão.

A função One Touch permite elaborar de forma automática até 20 bebidas quentes diferentes. Para além de dominar o grande universo de especialidades de café italianas, como o Capuccino, o Latte Macchiato, o Ristretto ou o Caffè Latte, permite ainda a preparação individual de diferentes tipos de chá. Sim, é isso mesmo, a Miele CM7500 possui uma função específica para infusões de chá verde, preto, de ervas ou frutos, com a água preparada à temperatura ideal para obter o melhor aroma de chá.


Características Principais da Miele CM7500
  • Máquina de café automática e de instalação livre
  • Programa de descalcificação automático
  • Função OneTouch e OneTouch For Two
  • Preparação automática de mais de 20 bebidas diferentes
  • Moinho de café cónico, protector de aroma, com 500 g de capacidade e moagem regulável. 
  • Entrada adicional para usar café moído em vez de grãos de café.
  • Possibilidade de configurar e usar até 10 perfis de utilizador diferentes.
  • Quantidade e temperatura de água programáveis
  • Quantidade de espuma de leite programável
  • Pré infusão
  • Função cafeteira que permite servir até 8 chávenas de café em simultâneo
  • Bocal de saída de café regulável em altura, através do sistema CupSensor
  • Superfície de apoio de chávenas aquecida
  • Painel de controle por toque CM Touch
  • Depósito de leite adicional, incluído com a máquina de café
  • Bloqueio de segurança do sistema, para evitar toques acidentais


Vantagens e Desvantagens da Miele CM 7500
  • Uma das grandes vantagens desta máquina de café é a grande capacidade do depósito de armazenamento de água (2.2 litros) e do moinho de café (500 g). 
  • Para além disso possui o serviço especializado de infusões de chá que ajusta a temperatura da água, de acordo com o chá que iremos usar.
  • A função SensorCup que detecta a altura da chávena ou copo através de um sensor e ajusta o dispensador de bebidas de forma a deixá-lo na altura ideal.
  • A variedade de bebidas é muito ampla e a mais versátil que podemos encontrar no mercado.
  • O painel de controlo com o sistema CM Touch é muito intuitivo e de fácil utilizacão.

Do meu ponto de vista, apenas reconheço dois pontos menos positivos nesta máquina de café. São eles o preço (PVP recomendado 2199€) que não está acessível a qualquer bolso. No entanto é um preço justo, atendendo a todas as qualidades e potencialidades que a máquina oferece. Em segundo lugar, o tamanho e o peso. Por se tratar de uma máquina com um tamanho maior que as convencionais, acaba por ocupar algum espaço, pelo que não se enquadra em todas as cozinhas.

De uma forma geral, este modelo de máquina de café da Miele é um "must have" para os verdadeiros apreciadores de café e outras bebidas à base de café. É como ter um barista em casa que em poucos segundos e de forma muito prática e intuitiva, satisfaz com requinte os nossos desejos de saborear um delicioso café. 

A pensar nos seus consumidores exigentes, a Miele lançou também o seu próprio lote de café para as máquinas. Chama-se Black Edition Nº1 e trata-se de um lote equilibrado de quatro grãos Arábica, naturalmente biológicos.

Guardar

Red Velvet Cheesecake


Jamais esquecerei o dia em que recebi a notícia. Encontrava-me na recruta, estava numa aula de Infantaria. O sargento Silva dirige-se muito lentamente à formatura e vem na minha direcção. Ele não precisou dizer nada, pois eu pressenti na cara dele o que tinha para me dizer. Senti o chão a fugir-me debaixo dos pés. Comecei a tremer por todos os lados, perdi as forças, deixei cair a metralhadora G3 e banhado em lágrimas caí também.

E desde então passaram 20 anos. Dito desta forma parece mesmo muito tempo. Mas podia ter sido ontem, pois ainda guardo na minha memória todos aqueles dias em que ela lutou contra a doença. Foram dois anos de muito sofrimento, de altos e baixos, de esperanças renovadas e muita fé. Foram muitas idas ao hospital, tratamentos agressivos, lágrimas derramadas, mas também o celebrar das pequenas vitórias, quando haviam melhorias visíveis. Ela era uma mulher bastante corajosa, uma guerreira que se agarrou à vida e foi buscar forças onde elas não existiam. Dizia sempre que estava tudo bem e que ia melhorar. Quando regressava a casa, após os internamentos, era vê-la feliz a regar as plantas e a contemplar a horta. Mas quis o destino que ela partisse cedo, muito cedo. Mais cedo do que qualquer um de nós pudesse imaginar. Partiu e levou um pedaço de mim.

Esta é sempre uma data meio nostálgica para mim. No domingo celebra-se o Dia da Mãe e tudo o que eu mais queria era poder dar-lhe um beijo, abraçá-la e dizer-lhe o quanto gosto dela. Agradecer-lhe por tudo o que fez por mim, por me ter dado tão bons conselhos, por ter sido uma boa mãe. É a minha estrelinha e onde quer que esteja certamente estará bem, a zelar pelos seus filhos e netos. Sei que iria ficar orgulhosa deste meu percurso.


A vida é uma passagem muito curta e por isso deve ser aproveitada e celebrada todos os dias. Hoje estamos bem mas amanhã não sabemos. Independentemente do sexo, da idade, cor ou religião, o nosso destino está traçado. Não vale a pena andarmos a gastar energias com pequenos problemas que nos desgastam. De que valem as zangas e as intrigas se um dia tudo acaba?! Porquê andarmos preocupados em mostrar uma felicidade aparente que afinal não existe?! Aceitemos-nos tal como somos sem ter de agradar às massas. Procuremos a felicidade nas pequenas coisas do dia-a-dia. Cuidemos daqueles que amamos e que nos querem bem. Que façamos mais daquilo que gostamos e nos faz feliz. Porque, afinal de contas, a vida é um dom precioso que nos foi concedido pelas nossas mães e como tal, deveremos cuidar dela - a nossa vida - como sendo a coisa mais preciosa.

Preparei esta receita em homenagem a todas as mães. É uma sobremesa com algum requinte, algo que qualquer mãe gostaria de receber de um filho. A minha mãe iria ficar orgulhosa! Se o aspecto visual impressiona, o sabor não lhe fica nada atrás. Isto deve-se também à qualidade dos ingredientes usados, factor ao qual, como já sabem, eu dou bastante importância. Obviamente, nesta receita podem usar o requeijão da vossa preferência mas eu já não dispenso a qualidade dos produtos da marca Tété. Por isso optei por escolher o Requeijão de Cabra Tété, por ter um sabor suave, mas bastante característico e delicioso. O Requeijão de Cabra Tété, assim como os restantes produtos desta gama, é obtido a partir dos melhores leites selecionados, o que faz dele um produto de excelência, correspondendo às exigências dos consumidores. Caso queiram saber mais acerca dos deliciosos produtos da marca Tété, visitem o site aqui ou sigam a marca nas redes sociais, Facebook e Instagram.


Red Velvet Cheesecake

Ingredientes:
{para a base}
| 320 g de biscoitos de chocolate *
| 80 g de amêndoa moída
| 3 c. (sopa) de cacau em pó             
| 1 c. (chá) de café moído
| 140 g de manteiga derretida

{para o recheio}
| 300 g de queijo creme
| 250 g de requeijão (usei de cabra Tété)      
| 120 g de açúcar
| 3 ovos
| 1 c. (chá) de extrato de baunilha
| 80 g de chocolate negro derretido
| 1 c. (sopa) de corante vermelho *

{para a cobertura}
| 250 g de queijo Mascarpone
| 120 ml de natas frescas
| 2 c. (sopa) de açúcar em pó
| framboesas liofilizadas (opcional) *

* NOTAS: Caso não encontrem os biscoitos de chocolate podem usar bolachas digestivas e acrescentar mais cacau em pó; Usei o corante alimentar vermelho intenso da Wilton, pelo que a quantidade a usar poderá variar, conforme a marca; As framboesas liofilizadas encontram-se à venda em lojas dietéticas, como o Celeiro, por exemplo. Caso não encontrem podem usar cacau em pó.

Preparação:
1 . Pré-aqueça o forno a 160ºC. Unte com manteiga e forre com papel vegetal uma forma de aro amovível com 20 cm de diâmetro e reserve.

2 . Triture os biscoitos juntamente com a amêndoa moída. Junte o cacau em pó, o café e a manteiga derretida e volte a triturar até obter uma mistura areada. Transfira esta mistura para a forma e com as costas de uma colher de sopa vá pressionando no fundo e na lateral da forma, formando a base (este processo requer alguma paciência, mas é essencial para que se forme uma base perfeita).

3 . Coloque a forma no frigorifico durante pelo menos 30 minutos (se quiser acelerar o processo, poderá levar ao congelador durante 15 minutos).

4 . No copo de um robot coloque o queijo creme, o requeijão e o açúcar e bata numa velocidade alta durante 3 minutos. Junte os ovos e a baunilha e volte a bater mais 1 minuto. Por fim junte o chocolate derretido e o corante e bata até que se misturem e obtenha a cor desejada.

5 . Retire a forma do frio e verta nela o recheio do cheesecake. Leve ao forno por cerca de 1h20m.

6 . Retire o cheesecake do forno e deixe arrefecer, sem desenformar, por cerca de 30 minutos. Leve depois ao frigorifico durante 4 horas ou, de preferência, de um dia para o outro.

7 . Prepare a cobertura colocando no copo de uma batedeira o Mascarpone, as natas e o açúcar. Bata até atingir a consistência desejada.

8 . Com o saco de pasteleiro, decore a gosto o cheesecake, usando o creme de Mascarpone. Polvilhe com as framboesas liofilizadas.