Galettes de Ruibarbo, Morango e Rosas


O Verão está mesmo a chegar! Confesso que esta não é de todo a minha estação do ano preferida, mas são tantas as coisas boas que ele nos traz que é impossível não ficar ainda mais feliz com a chegada dos dias grandes e cheios de luz. Há tanto para fazer, tanta coisa boa para aproveitar que o melhor mesmo é sair de casa e partir à aventura. Por aqui aproveitam-se todos os minutos e quando não estou na cozinha a realizar novas experiências ou a testar novas receitas, aproveito para ir jantar fora ou mesmo para dar uma caminhada. Sabe tão bem desfrutar de uma esplanada ao final da tarde, saborear uma bebida bem fresca enquanto trocamos dois dedos de conversa. Caminhar na praia ou apanhar um pouco de sol, sentir os pés na areia e a água salgada do mar.

Mas o Verão tem mais para oferecer. As idas ao mercado tornam-se especiais e a paleta de cores e sabores com a qual somos confrontados não deixa ninguém indiferente. É de tal forma a variedade de frutas e vegetais que o verão nos dá, que apetece trazer tudo para casa. Eu cá não consigo resistir a umas deliciosas cerejas que nos seduzem no seu tom vermelho escuro, aos figos doces e sumarentos, os pêssegos carnudos, os melões e as melancias que tanto servem para fazer entradas, sumos ou para servir no final de uma refeição. Os alperces que ficam óptimos em tartes e até as amoras silvestres que dão direito a alguns arranhões enquanto as colhemos, mas que no final nos irão saber pela vida deixando-nos bem satisfeitos.  


Para aproveitar a abundância de fruta que existe nesta altura, nada melhor que ligar o forno e fazer deliciosas tartes e bolos. Os de fruta são sempre os preferidos cá em casa. Existe um vegetal, muitas vezes confundido com uma fruta, que funciona na perfeição em bolos e ao qual eu não resisto. Falo do ruibarbo, ainda desconhecido por muitos e ao qual não é dada a devida importância no nosso país.  Bastante apreciado nos países nórdicos, este ingrediente é mesmo especial e quando combinado com outras frutas torna-se verdadeiramente delicioso. Já experimentei algumas receitas e já repeti algumas vezes esta compota, mas este bolo foi dos melhores que fiz com ruibarbo. Desta vez decidi experimentar a combinação clássica morango/ruibarbo numas galettes, mas quis inovar adicionando um ingrediente novo, a água de rosas. Desta forma elevei a receita a outro nível e não tenho palavras para descrever o sabor maravilhoso destas galettes que desaparecem num piscar de olhos.

Esta receita foi preparada para acompanhar o artigo do mês de Junho que desenvolvi em colaboração com o site Alegro e que vos convido a ler na íntegra aqui. Neste artigo dou-vos a conhecer, precisamente, um pouco mais sobre o ruibarbo, o que é, para que serve e ainda dou algumas sugestões para a sua utilização. Bem sei que não é fácil de encontrar este ingrediente, mas se conseguirem, não deixem mesmo de experimentar, pois só assim saberão que este é mesmo um ingrediente especial em termos de sabor.


(artigo mensal escrito em colaboração com o site Alegro)

Ruibarbo, o que é e para que serve?!

Este é um ingrediente muito especial. No entanto ainda é pouco conhecido e muitas vezes não sabemos se se trata de uma fruta ou de um vegetal. Muito usado em tartes e bolos, a sua utilização vai para além das sobremesas.

Quando surgem os talos vermelhos e brilhantes do ruibarbo, é sinal de que o Verão se aproxima a passos largos.É uma planta muito apreciada em sobremesas, no entanto existem outras formas de a cozinhar! Saiba como a tornar ainda mais deliciosa sem adicionar grandes quantidades de açúcar, E já agora, será que toda a planta pode ser cozinhada?!

Ruibarbo, o que é?!

Muitas vezes considerado um fruto o ruibarbo é na realidade um vegetal. Quando cozinhado, o seu sabor ácido combina perfeitamente com outros ingredientes doces. Naturalmente rico em vitaminas, manganésio, cálcio e fibras, os seus talos apresentam-se em tons rosa ou vermelho vivo, embora os de cor verde também possam ser bons. A melhor altura para colher ruibarbo é entre Março e Junho, dependendo das condições e do tipo de cultivo.

Ruibarbo, muito além das sobremesas.

É nas tartes e bolos que este ingrediente ácido ganha destaque. No entanto a sua utilização pode ser mais variada:

- Xarope de ruibarbo, utilizado para aromatizar águas criando deliciosos refrescos ou usar em cocktail. Ferva os caules com açúcar e água até reduzir e ficar espesso e conserve no frigorífico.

- O ruibarbo é óptimo quando usado em scones e muffins. Adicione mirtilos, morangos ou framboesas. Experimente também em crumbles, junte raspa de limão, gengibre, baunilha ou canela.

(leiam o artigo completo aqui)


Galettes de Ruibarbo, Morango e Rosas

Ingredientes:
[para a massa]
| 125 g de farinha de trigo s/ fermento
| 125 g de farinha de trigo integral
| 125 g de manteiga fria                            
| 85 g de açúcar amarelo
| 1 ovo

[para o recheio]
| 300 g de cules de ruibarbo
| 200 g de morangos
| 6 c. (sopa) de açúcar mascavado + 2 c. (sopa) para polvilhar
| 2 c. (sopa) de amido de milho
| 1/2 c. (chá) de pasta de baunilha
| raspa da casca de 1 limão
| 2 c. (sopa) de água de rosas (opcional)
| sumo de 1/2 limão
| 1 ovo

Preparação:
1 . Prepare a massa, colocando as farinhas, a manteiga, o açúcar e o ovo num robot de cozinha e pique durante alguns segundos. Retire a massa, forme uma bola e reserve (se preferir, pode amassar à mão, para tal a manteiga deverá estar cortada em pedaços muito finos).

2 . Corte o ruibarbo em pedaços de 1/2 cm e os morangos em fatias. Adicione a baunilha, a raspa e o sumo de limão e a água de rosas. Misture e deixe repousar um pouco.

3 . Adicione o amido e o açúcar e envolva bem.

4 . Transfira a massa para uma superfície enfarinhada e divida em quatro partes iguais. Forme bolas e estenda com o rolo da massa.

5 . Divida o recheio pelos quatro discos de massa deixando cerca de 3 cm livres em toda a volta. Verta. a massa para cima do recheio, formando um embrulho.

6 . Pincele as galettes com ovo batido e polvilhe com açúcar mascavado.

7 . Leve ao forno pré-aquecido cerca de 20-25 minutos.

[receita passo-a-passo]

GuardarGuardarGuardar

Bolo Invertido de Iogurte e Ruibarbo com Sementes de Papoila [receita sem Glúten]


Num piscar de olhos chegamos ao mês de Junho, o mês que nos traz os dias quentes de verão. Com ele chegam também os deliciosos petiscos e os jantares de amigos. Noites intermináveis que se prolongam por entre conversas animadas. É tempo de voltar a calçar os chinelos, de vestir os calções, de dar grandes caminhadas na areia da praia e mergulhar na água salgada do mar. Tempo de fazer uma pausa numa esplanada a saborear um delicioso gelado. Numa altura em que os dias se atropelam e nem se dá pelo tempo passar, urge aproveitar cada pequeno momento com quem mais gostamos e assim poder usufruir dos pequenos grandes prazeres da vida. 

Junho é também o mês dos santos populares, dos arraiais e dos bailaricos. É um mês de festa, de celebração, com cheiro a sardinhas assadas e a manjericos. Um mês que convida a sair de casa e a aproveitar o bom tempo que se faz sentir lá fora. A preparar refeições simples e saborosas, a pegar na cesta do piquenique, enchê-la de deliciosas refeições para partilhar e dar aquele passeio em família. És muito bem-vindo querido mês de Junho!


Junho é também aquele mês em que aparecem os primeiros frutos e legumes do verão. É um mês de abundância em que ainda existem tantos morangos para saborear - para mim os mais saborosos, aqueles que aparecem no final da primavera - em que as cerejas nos seduzem com o seu vermelho vivo nas bancas dos mercados, aparecem as framboesas, os figos e os alperces, as melancias e os melões e não tarda chegarão as primeiras amoras. Esta é também a estação em que o ruibarbo está no seu auge de sabor. Ainda desconhecido de muitos, este legume que é tantas vezes confundido com uma fruta faz as delícias em algumas sobremesas cá de casa. Adoro ruibarbo e apesar do seu preço elevado, não resisto a comprar quando encontro à venda. Combino-o com outras frutas e assim faço a melhor compota que já provei ou faço outras receitas simples como esta tarte ou esta galette. Só tenho pena que ainda seja tão difícil de encontrar ruibarbo no nosso país.

O que uso nesta receita é de cultivo biológico e veio de uma quinta no norte de Portugal. É perfeito para usar em tartes ou bolos, crumbles, para fazer compotas e usar em iogurtes e panquecas. Tenho várias receitas para experimentar mas desta vez não resisti a um bolo invertido, sem glúten e sem açúcares refinados, cuja receita pertence ao Green Kitchen Stories. Resulta num bolo bastante aromático, com um equilíbrio perfeito de sabores, não é muito doce e tem uma textura macia que lhe é conferida pela amêndoa. Uma verdadeira delícia!


Bolo Invertido de Iogurte e Ruibarbo com Sementes de Papoila 
(receita adaptada do blog Green Kitchen Stories)

Ingredientes:
| 450 g de caules de ruibarbo
| 4 c (sopa) de mel
| 150 ml de água
| 1 c. (café) de gengibre ralado
| 1 vagem de baunilha (ou 1 c. chá de pasta de baunilha)

| 200 g de farinha de amêndoa (amêndoa moída)
| 75 g de farinha de arroz
| 1 c. (chá) de fermento em pó
| 2 c. (sopa) de sementes de papoila
| 1/2 c. (chá) de sal
| 100 g de manteiga à temp. ambiente
| 125 de mel (ou maple syrup ou açúcar mascavado)
| raspa da casca de 2 limões
| 3 ovos
| 250 ml de iogurte grego natural

Preparação:
1 - Pré-aqueça o forno a 180ºC. Forre com papel vegetal uma forma de aro amovível com 22cm de diâmetro e reserve.

2 - Corte o ruibarbo em pedaços com cerca de 5cm de comprimento (eu cortei de forma a fazer um ângulo e formar um padrão, mas isto é opcional). Leve o ruibarbo ao lume numa caçarola larga juntamente com o mel, a água, o gengibre ralado e as sementes de baunilha. Cozinhe em lume médio durante cerca de 5 minutos, até que o ruibarbo fique macio e ligeiramente caramelizado, mas ainda firme.

3 - Retire os pedaços de ruibarbo e coloque num tabuleiro a arrefecer. Reserve o xarope para usar mais tarde (se preferir, cozinhe o xarope durante mais alguns minutos para reduzir um pouco e ficar mais espesso).

4 - Numa taça misture a farinha de amêndoa, a farinha de arroz, o fermento, as sementes de papoila e o sal.

5 - Bata a manteiga e o mel durante alguns minutos até obter uma mistura cremosa. Separe as gemas das claras, reserve as claras e adicione as gemas à manteiga, batendo mais um pouco. 

6 - Junte a mistura de farinhas e a raspa de limão e envolva com uma espátula até obter uma mistura homogénea.

7 - À parte bata as claras em castelo até formarem picos suaves. Aos poucos e alternadamente envolva as claras em castelo e o iogurte na massa do bolo, misturando com uma espátula mas sem bater demasiado.

8 - Disponha os pedaços de ruibarbo no fundo da forma, de forma a formar um padrão. Verta a massa do bolo sobre o ruibarbo e alise a superfície com a espátula.

9 - Leve ao forno cerca de 50-55 minutos ou até que o bolo comece a ficar dourado. Faça o teste do palito antes de retirar do forno.

10 - Retire do forno e deixe arrefecer dentro da forma durante pelo menos 30 minutos. Desenforme sobre um prato de servir invertendo a forma. Retire o papel vegetal e pincele a superfície do bolo com o xarope.