Polenta Cremosa com Espinafres e Cogumelos Salteados


São planícies a perder de vista que começam junto ao Tejo. E se o verde dos sobreiros e das oliveiras é a cor predominante mais a norte, quando nos dirigimos para sul as cores assumem outras tonalidades. O dourado das searas combina com longos dias de sol. Assim é o nosso Alentejo! Uma das regiões mais lindas de Portugal, terra de paixões, de boa gente que ama e respeita a Natureza e o que a terra dá. É também região de forte tradição na cultura da vinha e do olival, onde são produzidos alguns dos melhores vinhos e azeites do nosso país.

Recentemente andei a passear pelo Alentejo, mais precisamente na região de Elvas e Campo Maior. É ali, por entre longos hectares de vinhedo a fazer fronteira com a vizinha Espanha, que está localizada a Adega Mayor. Construída por Siza Vieira e de uma arquitectura única em Portugal, ergue-se como um manto branco por entre as longas fileiras de vinhas, agora ainda mais bonitas, pintadas em tons de verde e dourado. Tive o prazer de visitar a adega e assim ficar a conhecer toda a história que a envolve assim como a arte movida pelas pessoas que ali trabalham. Fiquei a saber como se faz o vinho, desde que as uvas são colhidas ainda de forma artesanal, durante as vindimas, passando pelo período de transformação e estágio do vinho até ao momento em que as garrafas do néctar dos deuses chegam às nossas mesas. Na adega somos muito bem recebidos e deixamo-nos levar pelos sentidos que se abrem à imaginação, às palavras e ao momento de saborear um bom vinho.


O vinho faz parte da nossa cultura desde sempre e é hoje, orgulhosamente, uma das imagens de marca do nosso país. Muitos dos nossos melhores momentos são construídos à volta de uma garrafa de vinho.  Sempre que abrimos uma garrafa de vinho abrimos um mundo de possibilidades. Abrimos conversas e abrimos desabafos. Abrimos a alma e o coração. Partilhamos e criamos memórias felizes entre amigos, contam-se histórias, abrem-se os sentidos às palavras e às emoções e sempre com um belo petisco por perto. E foi a pensar nestes momentos de descontracção que trouxe comigo uma garrafa de vinho Adega Mayor Sercial, uma das monocastas da Adega Mayor. Este é o vinho ideal para acompanhar o prato de Polenta Cremosa que vos trago hoje. Este é um prato que conforta a alma, que combina com dias frios e cinzentos e que é perfeito para acompanhar com a frescura deste vinho de personalidade intensa mas muito versátil e que certamente nos abrirá os sentidos.


Polenta Cremosa com Cogumelos Salteados

Ingredientes:
| 1 chávena de sêmola de milho
| 3 chávenas de água
| 2 c. (sopa) de azeite
| 4 chalotas
| 1 dente de alho picado
| 400 g de mistura de cogumelos Marron e Shimeji           
| sal e pimenta
| 1 c. (chá) de tomilho
| 2. c. (sopa) de vinagre balsâmico
| 50 g de manteiga
| 1/2 chávena de queijo Parmesão ralado
| 100 g de espinafres 
| rebentos verdes q.b.

Preparação:
1 . Leve um tacho ao lume com a água temperada com sal e deixe que ferva. Assim que levantar fervura adicione de uma vez só a sêmola de milho e mexa energicamente com uma vara de arames. Baixe o lume para o mínimo e deixe cozinhar por cerca de 15 minutos.

2 . Entretanto leve uma frigideira ao lume com o azeite e as chalotas cortadas em quartos. Junte o dente de alho picado e salteie durante alguns minutos até as chalotas dourarem. Adicione os cogumelos laminados, tempere com sal e pimenta, junte o tomilho e salteie até que os cogumelos fiquem dourados e todo o liquido tenha evaporado. Junte o vinagre balsâmico, envolva e cozinhe mais dois minutos.

3 . Quando a polenta estiver cozinhada junte a manteiga e o queijo Parmesão e envolva para que fique cremosa. Desligue o lume, adicione os espinafres e envolva até que murchem.

4. Sirva a polenta com os cogumelos salteados, folhas de espinafre e rebentos verdes.

Mousse de Castanha e Requeijão


A hora mudou, os dias parecem agora muito mais pequenos, a chuva teima em ficar, as temperaturas baixaram consideravelmente, e eu não gosto nada disto. Chegar a casa e já ter anoitecido é para mim uma espécie de tortura. Sinto a falta de luz, da minha luz, dos finais de tarde quentes e em cor de fogo. Com alguma resignação lá vou tirando as camisolas do armário, as botas e os casacos tornam-se indispensáveis e dou por mim a pensar que faltam poucos dias para o Natal. Como?! Como é possível o tempo ter passado assim tão depressa?! 

Deixo-me levar pelo espírito da estação e das coisas boas que o Outono tem para oferecer. As abóboras abundam e vão chegando cá a casa e aos poucos vão sendo transformadas em doces e compotas. Já vai sendo um hábito e a última que fiz foi com nozes e fava tonka. Adoro o sabor baunilhado desta semente. Aos poucos vou preparando o Natal com pequenos presentes feitos em casa, aqueles que para mim têm mais valor. Também vou matando saudades dos diospiros, ao natural, abertos em quartos e polvilhados de canela. Pequenos prazeres que me deixam tão feliz. E os marmelos, assados ou cozidos e conservados para degustar mais tarde. Experimentem comer uma metade de marmelo cozido com especiarias, acompanhado de uma bola de gelado. Uma vez mais, as coisas simples são sempre as melhores e não há como resistir aos sabores da estação.


Um dos meus frutos preferidos nesta altura do ano são as castanhas. Com a chegada do frio chega também a vontade de comer castanhas. É tempo delas e o seu cheiro inconfundível faz-se sentir nas ruas dos grandes centros. Novembro é o mês delas e por todo o lado são organizados os magustos e é celebrado o São Martinho. A efeméride assinala-se já no próximo domingo e segundo o ditado popular "pelo São Martinho, castanhas assadas, pão e vinho", o que quer dizer que é chegada a altura de festejar entre amigos e família e de provar os vinhos novos, produzidos a partir das últimas colheitas. Dizem que por esta altura o tempo melhora e o sol aparece, tal como sucedeu na lenda de São Martinho.

Mas voltando às castanhas, gosto delas simples, assadas com sal, de preferência numa lareira aberta. Ou cozidas com erva doce. Mas também costumo usar castanhas nos cremes e sopas. Estou a lembrar-me de uma sopa super aveludada que costumo fazer nesta altura, de castanhas e cogumelos. Também costumo misturar com batata doce assada no forno e um raminho de alecrim a acompanhar pratos de carne. Mas onde gosto mesmo do sabor da castanha é nas sobremesas. Fico com água na boca quando penso neste Tiramisù com Creme de Castanha. O mesmo creme que usei para fazer esta mousse de castanha, bastante leve e cremosa, não muito doce e perfumada pelo sabor suave da baunilha. O melhor de tudo é que é feita com apenas cinco ingredientes, sendo um deles o delicioso Requeijão de Vaca Tété que por ser macio e apresentar um sabor suave, torna-o ideal para ser usado nesta sobremesa. Para conhecerem melhor este e outros produtos da marca Tété visitem o site, aqui ou sigam as páginas da marca nas redes sociais, Facebook e Instagram.


Mousse de Castanha e Requeijão

Ingredientes:
| 350 g de creme de castanha e baunilha *
| 1 folha de gelatina                                                   
| 200 ml de natas para bater
| cacau em pó

NOTAS:

  • O creme de castanha e baunilha que uso é da marca Bonne Maman e existe à venda nos supermercados na secção dos doces e compotas. Existem outras marcas noutros supermercados como o Lidl e o E.Leclerc.
  • Por ser um creme que já contém açúcar adicionado, esta sobremesa não necessita de mais açúcar.
  • Se possível preparem a mousse de véspera e deixem refrigerar durante a noite.
Preparação:
1 . Coloque a folha de gelatina numa taça com água durante alguns minutos para hidratar.

2 . Coloque um tachinho com o creme de castanha em lume baixo e aqueça, sem deixar ferver. Junte a folha de gelatina escorrida e mexa até esta se dissolver no creme.

3 . Triture o requeijão num processador ou robot de cozinha até ficar bem cremoso e macio. Junte ao creme de castanha e misture com uma espátula.

4 . Bata as natas até que fiquem bem firmes. Incorpore a mistura de creme de castanha e requeijão nas natas, envolvendo com uma espátula em movimentos suaves.

5 . Distribua a mousse por tacinhas e leve a refrigerar durante pelo menos 4 horas. Na hora de servir polvilhe com cacau em pó.

Tarte de Requeijão, Maçã e Amêndoa


Das frutas outonais a maçã é com certeza aquela que mais se destaca. Talvez por agradar, em termos de sabor, à maioria das pessoas e também por existirem tantas variedades. Sempre me lembro de haver várias macieiras plantadas no quintal lá de casa, quer do meu avô quer dos meus pais. Haviam de vários tipos e nesta altura do ano dava-me imenso gozo colher as maçãs que a minha mãe amontoava em cima de uma mesa velha coberta de palha. Porque assim não apodreciam tão depressa, diziam. Claro que não conseguíamos consumir todas as maçãs que colhíamos. Muitas eram oferecidas e outras acabavam por ser dadas a comer aos animais. Tenho uma vaga ideia que eram armazenadas na adega e o cheiro que ficava no ar era inconfundível e bastante agradável. As minhas maçãs preferidas eram as da variedade "Bravo Esmolfe". Eram as mais toscas do pomar, mas por sua vez eram as mais doces e perfumadas. Ainda hoje continuam a ser as minhas preferidas, apesar de também gostar muito de maçãs "reinetas". E se forem assadas no forno e regadas com um fio de mel... tanto melhor!


Trata-se de uma fruta bastante versátil que, devido à sua durabilidade, pode ser usada ao longo de todo o ano, não se resumindo apenas ao seu papel de peça de fruta para comer a seguir às refeições ou nos lanches. Cá em casa a maçã acompanha outros pratos, como os assados no forno, por exemplo. Utilizo-a também nas saladas, durante o Verão, altura em que faço muitos sumos e batidos de maçã. Pode também ser usada nas granolas ou ser servida como sobremesa, quando cozida e reduzida a puré ou simplesmente assada com um pau de canela. Mas é nos bolos e tartes que eu mais gosto desta fruta, confesso. A textura que a maçã confere aos bolos é divinal e o seu sabor depois de cozinhada parece que fica ainda mais apurado, fazendo despertar os sentidos.

Andava com imensa vontade de fazer uma tarte de maçã e trazer para a mesa os sabores do Outono. Mas queria algo diferente, não uma tarte de maçã tradicional. Foi então que me lembrei de utilizar o requeijão, combinando-o com a amêndoa, criando um recheio que fica sempre óptimo em tartes. Por se diferenciar em termos de sabor, usei o Requeijão de Cabra Tété, mas sintam-se à vontade para usar o de mistura ou mesmo o de vaca. Podem encontrá-los aqui. Estes são produtos de qualidade que só uma empresa familiar com largos anos de experiência, passada entre gerações, consegue apresentar. Caso não se sintam suficientemente inspirados, visitem a página "Sabores" no site Tété. Ali podem encontrar esta e muitas outras receitas minhas e de outros bloggers, todas elas confeccionadas com os deliciosos e genuínos produtos Tété.


Tarte de Requeijão, Maçã e Amêndoa

Ingredientes:
{para a massa}
| 200 g de farinha de espelta
| 1 c. (sopa) de açúcar amarelo
| 100 g de manteiga fria
| 1 ovo
| 2-3 c. (sopa) de água fria                              

{para o recheio}
| 1 Requeijão de Cabra Tété  aprox. 240g
| 2 ovos 
| 150 g de puré de maçã *
| 120 g de açúcar amarelo
| 1 c. (chá) de canela
| 1 c. (chá) de pasta de baunilha *
| 40 g de amido de milho
| 80 g de amêndoa moída
| 8-10 maçãs pequenas *

NOTAS:

  • Nesta receita usei puré de maçã de compra mas podem cozer maçãs descascadas e descaroçadas e posteriormente reduzidas a puré.
  • A pasta de baunilha pode ser substituída por uma vagem de baunilha (só as sementes, raspadas) ou, em último caso, por extrato ou essência de baunilha.
  • A quantidade de maçãs a usar irá depender do tamanho das mesmas.
Preparação:
1 . Numa taça misture a farinha com o açúcar. Junte a manteiga fria, em pedaços, o ovo e a água. Misture todos os ingredientes e amasse com as mãos até obter uma massa homogénea e moldável. Forme  uma bola com a massa, envolva com película aderente e deixe repousar no frio por 30 minutos.

2 . Corte as maçãs em metades (ou se preferir em quartos), retire os caroços mas mantenha a casca e fatie-as bem finas. Regue com sumo de limão (para evitar que a maçã oxide) e reserve.

3 . Pré-aqueça o forno a 180ºC. Com o rolo estenda a massa numa superfície enfarinhada e forre com ela uma tarteira de fundo amovível com cerca de 22cm de diâmetro. Pressione bem a massa contra o fundo e as laterais da forma e corte o excesso. Pique a massa com um garfo e leve ao forno durante 5 minutos.

4 . Num robot de cozinha ou liquidificador triture o requeijão até este se desfazer por completo. Adicione os ovos, o puré de maçã e o açúcar e bata cerca de 3 minutos. Junte a canela, a pasta de baunilha e o amido e volte a bater até obter um creme homogéneo. Por fim adicione a amêndoa moída e envolva com uma espátula.

5 . Retire a forma do forno e verta o recheio na tarteira, alisando com uma espátula. Sobre o recheio distribua as maçãs laminadas e leve novamente ao forno durante cerca de 35-40 minutos, até a tarte ficar bem dourada. Retire a tarte do forno e deixe arrefecer sobre uma grelha. Se preferir, sirva polvilhada com açúcar em pó e/ou canela.