Sangria de Manga e Maracujá


Finalmente chegaram os dias de sol, que convidam a sair de casa. Os dias que nos levam a estar mais vezes em contacto com a Natureza, que nos desafiam a fazer longos passeios ou uma ida até à praia. Os dias em que começamos a dar preferência às receitas mais leves e frescas. Já apetece colocar a mesa no jardim ou na varanda e convidar os amigos e a família para saborear uma deliciosa refeição ao ar livre. Encher uma mesa de boa comida, uma bebida refrescante a acompanhar e simplesmente deixar passar o tempo, com muitas conversas e boas risadas pelo meio. Simplesmente aproveitar e viver o momento. É isso que torna estes dias que antecedem o Verão mais especiais, o facto de podermos aproveitar ao máximo o ar livre, de usufruirmos do melhor que a Natureza nos oferece, incluindo as frutas e os legumes desta estação. Dos belos petiscos que podemos partilhar entre amigos, enquanto degustamos um bom vinho ou uma sangria refrescante. 


Foi precisamente a pensar nesses finais de tarde que estes dias mais quentes oferecem, que elaborei a receita desta Sangria de Manga e Maracujá. Uma sangria tropical, deliciosa e muito refrescante, perfeita para acompanhar qualquer tipo de refeição ou simplesmente para ser partilhada. Foi servida nos meus copos ZWILLING® Sorrento que já não dispenso na minha cozinha. Por terem parede dupla, estes copos, fabricados em vidro de borosilicato, permitem servir tanto bebidas quentes como bebidas frias, mantendo a sua temperatura ideal por muito mais tempo. A linha de copos da gama Sorrento, que encontram à venda na ZWILLING®, foi craida pelo designer italiano Matteo Thun e apresenta uma estética distinta que permite servir não só bebidas mas também sobremesas de forma visualmente impressionante. São ainda ideais para servir cerveja bem fresca, vinhos e cocktails.

Na gama ZWILLING® Sorrento encontramos ainda a Jarra ZWILLING® Sorrento de 800 ml, também ela fabricada em vidro de borosilicato, com acabamentos perfeitos e um design bastante atractivo, moderno e elegante, que fica bem em qualquer mesa. Os produtos desta gama são incrivelmente leves, muito fáceis de manusear, são resistentes e oferecem uma durabilidade eficaz.

Temos ainda as Palhinhas de Vidro ZWILLING® Sorrento que eu já não dispenso. Foram criadas com o objectivo de eliminar de vez as palhinhas de plástico e por isso são reutilizáveis, robustas e versáteis e servem para qualquer bebida. São vendidas em conjuntos de quatro unidades e após a sua utilização podem ser lavadas na máquina de lavar louça ou podem ser limpas manualmente com a escova de limpeza que vem incluída no kit.






Sangria de Manga e Maracujá

Ingredientes:                                      
| 200 g de polpa de maracujá
| 3 c. (sopa) de açúcar amarelo 
| 1 pau de canela
| 1 manga
| 2 limas
| 600 ml de espumante (ou vinho branco)
| 200 ml de água com gás
| folhas de hortelã qb
| gelo qb
| 4 maracujás

Preparação:
1 . Leve um tacho ao lume com a polpa de maracujá, o açúcar e o pau de canela. Mexa até o açúcar derreter e quando começar a ferver desligue o lume e deixe arrefecer.

2 . Descasque a manga e corte em cubos. Corte as limas em quartos e depois volte a cortar em tiras e reserve.

3 . Coloque a polpa de maracujá arrefecida num jarro alto, junte a fruta e adicione gelo a gosto.

4 . Encha o jarro com o espumante (ou vinho branco) e a água com gás, adicione folhas de hortelã fresco e mexa.

5 . Sirva a sangria com maracujás frescos cortados em quartos e folhas de hortelã.







Bao Buns de Curcuma Recheados com "Pulled Jaca"


Existem duas coisas que queria muito experimentar cá em casa há algum tempo. A primeira são os Bao Buns, aqueles pãezinhos fofos de origem chinesa que quase se derretem na boca. A segunda era o famoso "pulled pork" mas numa versão vegetariana. Vou explicar o que é cada um deles e começo já por este. O "pulled pork" nada mais é que uma carne de porco desfiada, bastante suculenta, cozinhada durante horas e a baixa temperatura. É muito popular nos Estados Unidos da América. Para quem ainda não sabe, eu não como carne ou derivados e ando sempre à procura de alternativas vegetarianas para experimentar. Por diversas vezes encontrei algumas receitas deste "pulled pork" mas numa versão vegetariana. E qual é o ingrediente usado para veganizar um prato tão característico, perguntam vocês? Jaca. A jaca, que é um fruto, é o ingrediente usado nesta receita, responsável por dar ao prato o aspecto e a textura da carne de porco. Quanto ao sabor não sei se será exactamente a mesma coisa, mas acredito que andará lá perto.

Relativamente aos bao buns, também conhecidos por gua bao ou pães bao, já os havia provado antes no restaurante Boa Bao em Lisboa e confesso que na altura fiquei bastante surpreendido com a textura e sabor destes pães. São uma tendência a nível mundial na área do street food e é muito fácil encontrá-los na gastronomia de qualquer país asiático. Estes pãezinhos são cozidos a vapor e são servidos recheados com diferentes vegetais e proteína animal ou vegetal. Requerem alguma paciência na sua preparação, é certo, mas admito que vale mesmo a pena o tempo de espera. Nesta receita decidi dar um extra de sabor e adicionei curcuma, o que os tornou mais amarelinhos e, a meu ver, mais apelativos também.


O que torna os bao buns especiais é mesmo o facto de estes serem cozinhados a vapor e, para tal, é essencial utilizar um equipamento que cozinhe a vapor. No meu caso, preparei esta receita apenas num único equipamento, o que me permitiu não sujar muita louça. Utilizei a minha caçarola de ferro fundido Staub La Cocotte, que veio da ZWILLING® e nela preparei tanto os bao buns como o recheio "pulled jaca". Mas como, perguntam vocês?! Fácil! É que a caçarola Staub La Cocotte traz um acessório de vapor, que permite cozinhar vários alimentos ao mesmo tempo. Cozinhar os alimentos ao vapor é uma forma de preparar refeições mais leves e frescas, mantendo a textura natural dos alimentos e mantendo uma maior quantidade de nutrientes, sem utilizar gordura em excesso.

Este acessório de vapor pode ser adquirido aqui, em conjunto com a caçarola de ferro. É fabricado em aço inoxidável e perfurado no fundo por forma a garantir uma distribuição ideal do calor por toda a peça. Permite cozinhar a vapor vários tipos de alimentos e, em algumas situações, permite mesmo cozinhar vários pratos ao mesmo tempo. Por exemplo, podemos preparar um arroz na caçarola de ferro e, simultaneamente cozer um peixe ao vapor no acessório de vapor.

A cocotte, que já usei aqui, é fabricada em ferro fundido com o interior em esmalte preto, que armazena o calor e liberta-o uniformemente pelos alimentos enquanto cozinha. Tem um diâmetro de 26 cm e uma capacidade de 5,2 litros, é muito fácil de limpar, podendo ser utilizada em qualquer tipo de fogão, incluindo placas de indução.







Bao Buns de Curcuma Recheados com "Pulled Jaca"

Ingredientes:
{para os Bao Buns}
| 250 g de farinha s/ fermento
| 50 g de farinha de milho fina
| 1 c. (chá) de fermento de padeiro seco
| 1 c. (sopa) de açúcar
| 1/2 c. (chá) de sal
| 1 c. (chá) de curcuma em pó (opcional)
| 20 ml de óleo de girassol
| 120 ml de água morna

{para o "Pulled Jaca"}
| 300 g de jaca verde
| 200 g de jaca doce em calda                      
| 3 c. (sopa) de azeite
| 1 cebola pequena em meias-luas
| 3 cebolinhos + qb p/ servir
| 1/4 de pimento vermelho
| 3 dentes de alho picados
| 3 c. (chá) de gengibre fresco ralado
| 1 c. (chá) de mistura de '5 especiarias chinesas'
| 3 c. (sopa) de molho de soja
| 1 c. (sopa) de vinagre de arroz
| 1/2 malagueta
| coentros frescos qb
| 1/2 pepino cortado em tiras finas
| 1/4 de couve roxa cortada em juliana
| sementes de sésamo q.b

Notas:
  • a farinha de milho é opcional, podendo-se usar apenas farinha de trigo, na mesma quantidade.
  • a curcuma é opcional, apenas serve para dar cor e algum sabor extra.
  • o óleo de girassol pode ser substituído por outro, óleo de abacate ou amendoim, por exemplo.
  • a água deverá estar morna mas não em demasia, para não "matar" o fermento.
  • pode-se usar apenas jaca verde na receita, na mesma quantidade; neste caso adicione à receita 2 c. (sopa) de açúcar.
  • a mistura de '5 especiarias chinesas' encontra-se à venda nos supermercados e tem um sabor muito característico; caso não encontrem podem usar estrela de anis, sementes de funcho, canela, cravinho e pimenta de sichuan.
  • o pepino e a couve roxa podem ser substituídos por outros vegetais a gosto.

Preparação:
{Bao Buns}
1 . Na taça da batedeira, com o gancho de amassar, coloque as farinhas, o fermento, o açúcar, o sal e a curcuma. Adicione o óleo e aos poucos vá juntando a água morna (dependendo da farinha usada, poderá ser necessário adicionar mais 2-3 c. (sopa) de água). Amasse durante cerca de 10 minutos até a massa descolar das paredes do copo. Deverá obter uma massa lisa e elástica. Forme uma bola com a massa, pincele com óleo vegetal e coloque numa taça limpa. Tape com um pano e deixe levedar durante 2 horas.

2 . Transfira a massa para uma superfície ligeiramente enfarinhada, divida-a em 8 partes iguais e forme 8 pequenas bolas. Transfira as bolas de massa para um tabuleiro, cubra com um pano e deixe levedar 30 minutos.

3 . Estenda cada uma das bolas de massa com o rolo da massa, dando-lhes uma forma oval. Dobre cada um dos discos de massa sobre si mesmos, colocando um quadrado de papel vegetal entre as duas metades (isto evitará que as metades fiquem coladas durante a cozedura).

4 . Disponha os bao buns no acessório de cozer a vapor Staub e deixe levedar mais 30 minutos.

5 . Coloque cerca de 1,5l de água na cocotte de ferro fundido Staub e leve ao lume até levantar fervura. Baixe o lume para médio, coloque na panela o acessório de cozer a vapor com os bao buns e tape com a tampa. Deixe cozinhar a vapor durante cerca de 8 minutos. Desligue o lume e sem destapar deixe cozinhar mais 5 minutos. Passado esse tempo retire o acessório de cozer a vapor da panela e reserve os bao buns.

{Pulled Jaca}
1 . Escorra a jaca verde e a jaca doce, desfie-as com as mãos ou com um garfo e reserve.

2 . Leve a panela de ferro fundido Staub ao lume com o azeite e aqueça. Junte a cebola cortada em meias-luas, o cebolinho cortado em rodelas, o pimento vermelho em tiras e salteie até a cebola amolecer. Adicione o alho picado e o gengibre fresco ralado e salteie mais um pouco.

3 . Adicione a mistura de '5 especiarias chinesas', o molho de soja e o vinagre e deixe apurar durante 1-2 minutos.

4 . Junte a jaca desfiada e salteie durante alguns minutos. Rectifique os temperos, se necessário, desligue o lume, adicione mais cebolinho cortado em rodelas, a malagueta também em rodelas finas e coentros frescos. 

5 . Em cada bao bun coloque tiras de pepino, couve roxa e recheie com o "Pulled Jaca". Sirva com coentros frescos picados e sementes de sésamo.






Rolinhos de Limão com Queijo Creme


No fim de semana da Páscoa fui à "terra" visitar o meu pai. Estava um tempo maravilhoso e deu-me imenso prazer passear pela horta dele. As plantações estavam com óptimo aspecto e tudo tinha um ar bastante viçoso. As ervilhas estavam ainda em flor, algumas carregadinhas de vagens, mas ainda não estavam prontas a serem colhidas. As favas eram mais que muitas e essas sim, prontas a ir para o prato. Sorte a dele que eu não gosto de favas! Os alhos franceses também estavam no ponto. Os tomateiros já davam o ar de sua graça. Tomara que seja Verão para poder colher os melhores tomates coração-de-boi. Dei de caras com o canteiro dos coentros e era ver-me feliz a colher os coentros mais frescos. Herdei do meu pai o gosto por essa erva que eu adoro mas que tantas pessoas detestam. E sim, o meu pai semeia coentros em quantidades industriais. Ainda deu para colher e provar as primeiras nêsperas e da primeira amostra deu para perceber que este ano são bem docinhas. Mas o que me surpreendeu mesmo foi o limoeiro, carregado de limões como nunca o vi. Eram mesmo imensos limões, grandes e sumarentos. Quem me segue no Instagram conseguiu ver algumas stories que fiz do limoeiro do meu pai. Claro que não resisti a trazer uns quantos para casa. Sabiam que o limão é aquele fruto que nunca dispenso na minha cozinha?! Adoro o sabor do limão, tanto em pratos salgados como em sobremesas.


Com tanto limão, acabei por fazer uma limonada assim que cheguei a casa. Mas não estava ainda satisfeito e apetecia-me fazer algo doce com sabor a limão. Pensei nos clássicos rolinhos de canela que toda a gente conhece mas numa versão mais fresca e cítrica. E assim surgiu esta receita. Uns rolinhos bastante fofos, aromatizados pelo sabor do limão, cobertos por uma mistura cremosa e irresistível de queijo creme. A base da receita é a que uso para os clássicos rolinhos de canela. É muito simples, não precisa de levedar e vem do livro "The Violet Bakery Cookbook" da Claire Ptak. Apenas alterei o recheio e a cobertura e não é que ficaram mesmo deliciosos?!

Com esta receita estreei a mais recente aquisição na minha cozinha, as travessas rectangulares em cerâmica da marca STAUB® que vieram da ZWILLING®. Estas travessas podem ser adquiridas em conjuntos de duas ou de três peças e ficam bem em qualquer cozinha. Escolhi a cor turquesa antigo mas existem outras cores disponíveis. Têm a particularidade de reter o calor sem absorver a humidade, produzindo um resultado delicioso em todos os pratos, sejam eles doces ou salgados. São perfeitas para ir ao forno e graças ao seu design intemporal que combina com qualquer decoração, podem ser transportadas directamente do forno para a mesa. Podem até ser usadas para servir saladas ou mesmo um delicioso tiramisù

As cerâmicas STAUB® oferecem grande durabilidade. A superfície esmaltada torna as peças fáceis de limpar e resistentes a riscos. São aquecidas duas vezes em alta temperatura, o que as torna mais resistentes a pequenos choques. São feitas de material de alta qualidade e acabadas à mão para uma suavidade perfeita. Podem conhecer melhor as características destas cerâmicas e encontrar este conjunto de duas peças aqui.








Rolinhos de Limão

Ingredientes:
{para a massa}
| 560 g de farinha s/ fermento
| 2 c. (sopa) de fermento em pó
| 1 pitada de sal
| 1 c. (chá) de sementes de cardamomo moídas
| 240 g de manteiga fria em pedaços
| 300 ml de leite frio
| raspa de 1 limão
{para o recheio}
| 75 g de manteiga derretida                            
| 250 g de açúcar mascavado escuro
| raspa de 3 limões
{para a cobertura}
| 200 g de queijo creme
| 2 c. (sopa) de manteiga amolecida
| 1/2 c (chá) de essência de baunilha
| 4 c. (sopa) de açúcar em pó

Preparação:
1 . Pré-aqueça o forno a 200ºC. Unte com manteiga dois tabuleiros pequenos que possam ir ao forno. 

2 . Prepare a massa, colocando na taça de uma batedeira a farinha, o fermento, o sal, as sementes de cardamomo, a manteiga fria em pedaços, o leite frio e a raspa de um limão. Use o gancho de amassar e amasse durante alguns minutos até a massa despegar das paredes do copo. Retire a massa para uma bancada, forme uma bola e deixe repousar 10 minutos.

3 . Enquanto a massa repousa, prepare o recheio. Derreta a manteiga e reserve. Numa taça misture o açúcar mascavado com a raspa de limão e reserve.

4 . Numa superfície enfarinhada estenda a massa, formando um rectângulo com cerca de 5mm de espessura e 50cm x 30cm.

5 . Pincele toda a superfície da massa com a manteiga derretida e de seguida salpique com o açúcar e a raspa de limão.

6 . Comece a enrolar a massa, partindo do lado mais longo do rectângulo, formando um rolo. Com uma faca afiada divida o rolo de massa em 10-12 porções iguais e disponha-as no tabuleiro, deixando espaço suficiente entre cada porção de massa.

7 . Leve os rolinhos ao forno durante 25 minutos ou até que comecem a ficar dourados. Retire e deixe arrefecer ligeiramente.

8 . Prepare a cobertura misturando numa taça, com uma vara de arames, o queijo creme, a manteiga amolecida, a baunilha e o açúcar em pó. Bata até obter uma mistura bem cremosa. Distribua a cobertura pelos rolinhos de limão e sirva ainda morno com raspas de limão.







Pão de Ló


A Páscoa é feita de tradições e de norte a sul do país esta é uma quadra festiva que junta as famílias à volta da mesa. É tempo de reencontros e de celebração e desde as entradas, passando pelos pratos principais, típicos e tradicionais de cada região e sem esquecer a sobremesa, onde reinam os folares, cada família apresenta com orgulho as receitas que vão sendo transmitidas de geração em geração, num legado único de lugar para lugar. Mais ou menos tradicionais, cada receita é única e especial. Assim como são especiais os encontros entre afilhados e padrinhos. Cada região apresenta o seu folar, uns salgados outros doces, uns mais requintados outros mais simples, mas todos deliciosos e tornando a nossa gastronomia muito especial e única. 


Outra iguaria que não pode faltar nas mesas de Páscoa por este país fora é o pão-de-ló. Também ele difere de região para região. Há quem os prefira mais fofos, há quem goste deles mais molhadinhos, mas também há quem goste deles mais secos. Cada família terá a sua versão e no que toca a tradições, os gostos não se discutem.

Hoje trago uma versão mais molhadinha do pão-de-ló. Uma receita simples de preparar, com apenas três ingredientes, mas que é óptima demais para não ser feita e partilhada. Tem um defeito, desaparece num instante. E se é de tradição que falamos, também a Nacional faz parte dela e não pode faltar nas receitas desta quadra. Nesta receita usei a Farinha Extra Fina Nacional, uma farinha preparada com trigos selecionados e que agora se apresenta mais fina, mais branca e mais pura, sendo um ingrediente importante no resultado final da receita, um pão-de-ló com uma textura super fofa e húmida. O melhor mesmo é serem vocês a experimentar e a comprovar o quão boa é esta receita. Passem no site da Nacional, onde encontram muitas mais receitas típicas e tradicionais, óptimas não só para esta quadra mas também para qualquer altura do ano. Uma Páscoa Feliz para todos!






Pão de Ló

Ingredientes:
| 9 gemas
| 2 ovos inteiros
| 150 g de açúcar                                           

Preparação:
1 . Comece por ligar o forno nos 200ºC. Forre uma forma redonda lisa (sem buraco) com papel vegetal.

2 . Numa taça, coloque as gemas, os ovos inteiros e o açúcar. Bata a mistura na velocidade máxima durante 10 a 15 minutos, até obter um creme volumoso, fofo e de cor esbranquiçada.

3 . Peneire a Farinha Extra Fina Nacional e adicione ao preparado anterior. Com a ajuda de uma vara de arames ou espátula de silicone, envolva a farinha na massa, com movimentos cuidadosos, até que esta fique completamente integrada. 

4 . Deite a massa na forma, coloque-a no forno e leve a cozer por 9 minutos.

5 . Retire do forno e deixe arrefecer completamente antes de retirar o pão-de-ló da forma.