Paris-Brest de Pistácio e Framboesa


Hoje é dia de agradecer. Todos os dias o são mas hoje agradeço por completar mais um ano de vida. Agradeço pelas boas oportunidades que a vida me tem dado, pelas escolhas que tenho feito, pela família que tenho e pelas pessoas boas que me rodeiam. Agradeço por estar vivo, ter saúde e sentir-me bem comigo mesmo. Se há uns anos atrás eu detestava fazer anos, porque sentia que estava a envelhecer, hoje sinto exactamente o oposto. Tal como a idade vai avançando, também a nossa sabedoria aumenta e faz com olhemos para a vida de forma diferente. Passamos a valorizar mais umas coisas em detrimento de outras, deixamos de nos importar com o que os outros pensam ou dizem de nós. Mantemos por perto e cuidamos ainda mais quem nos quer bem. É um dia como outro qualquer, mas este a querer lembrar-me que a vida passa demasiado rápido, sobretudo depois dos 40. Então devemos viver e celebrar cada momento de forma especial. Com as nossas pessoas especiais. Buscar a felicidade nas pequenas coisas, nos momentos mais banais do dia-a-dia. Porque esses momentos amanhã podem já não acontecer, porque essas pessoas podem já não estar cá. Recebo de braços abertos este novo ano que agora começa, na esperança de que lá fora o mundo se vai tornando cada vez melhor e que nós, seres humanos, nos tornamos cada vez mais excepcionais. Obrigado a todos os que fazem parte da minha vida!

Para celebrar este dia especial não fiz um bolo, mas antes uma sobremesa que há muito tempo queria experimentar. Este é o meu primeiro Paris-Brest, uma sobremesa clássica da pastelaria francesa, que nasceu em 1910, criada por um pasteleiro chamado Louis Durand. A sua forma foi inspirada numa roda de bicicleta, em homenagem à corrida de ciclismo que ligava as cidades francesas, Paris e Brest. Originalmente é preparado com massa choux e recheado com creme praliné mas várias versões foram surgindo ao longo dos anos. 

A minha inspiração para esta receita veio da querida Patrícia que faz os Paris-Brest mais lindos. Usei a mesma receita base da massa choux e apenas alterei o recheio ao meu gosto. Optei por um creme simples de mascarpone com sabor a pistácio, que adoro, a contrastar com a acidez das framboesas. Fica uma sobremesa bastante elegante, fresca e nada enjoativa. Perfeita para estes dias que agora começam a aquecer.






Paris-Brest de Pistácio e Framboesa
(receita adaptada do blog Coco e Baunilha)

Ingredientes:

{Massa Choux}
| 125 ml de água
| 125 ml de leite
| 100 g de manteiga
| 1 c. (sopa) de açúcar em pó
| 5 g de sal
| 150 g de farinha s/ fermento
| 4 ovos
| 1 ovo batido p/ pincelar
| amêndoas palitadas

{Creme de Pistácio}
| 500 g de Mascarpone
| 200 ml de natas frescas (c/ 35% m.g.) 
| 4 c. (sopa) de açúcar baunilhado em pó
| 1 c. (sopa) de pasta de pistácio

| 200 g de framboesas
| açúcar em pó p/ polvilhar
| pistácios picados

Preparação:
1 . Leve um tacho ao lume com a água, o leite, a manteiga o açúcar e o sal. Aqueça até levantar fervura e nesse momento junte a farinha de uma só vez. Mexa muito nem com uma espátula ou colher de pau, até a massa descolar completamente do tacho e a colher.

2 . Junte os ovos, um de cada vez, mexendo bem entre cada adição, até ficar homogéneo.

3 . Pré-aqueça o forno a 200ºC. Trace um círculo de 20 cm numa folha de papel vegetal, usando um prato ou aro desse tamanho. Volte a folha ao contrário num tabuleiro de forno ligeiramente untado nas extremidades (para a folha não levantar durante a cozedura).

4 . Transfira a massa para um saco de pasteleiro com uma boquilha redonda ou em estrela e de abertura larga.

5 . Por cima do círculo desenhado forme duas coroas de massa que deverão ficar juntas e de seguida forme uma terceira coroa por cima das duas primeiras, ou seja, no centro das mesmas.

6 . Pincele com o ovo batido e polvilhe com a amêndoa palitada (ou laminada). Leve ao forno a 200ºC e passados 10 minutos reduza a temperatura para 180ºC e deixe ficar por mais 20 minutos ou até ficar volumoso e bem dourado (não abrir a porta do forno). Desligue e deixe arrefecer dentro do forno com a porta entreaberta.

7 . Prepare o recheio, batendo o mascarpone e as natas durante alguns minutos até ficar bem firme. Adicione o açúcar baunilhado em pó e a pasta de pistácio e bata mais um pouco até ficar homogéneo.

8 . Com uma faca de serrilha corte o paris-brest no sentido do comprimento, a 2/3 de altura (ou seja, deixando a parte de baixo mais alta, a fim de ser recheada).

9 . Coloque a base num prato de servir e de seguida distribua o recheio, usando o saco de pasteleiro e uma boquilha em estrela larga.

10 . Distribua as framboesas sobre o creme de pistácio e também de lado e cubra o paris-brest com a segunda metade de massa choux. Polvilhe com açúcar em pó e pistácios picados e leve ao frigorífico, pelo menos meia hora antes de servir.




Massada de Peixe


Aos poucos vamos retomando as nossas vidas e tentamos adaptar-nos à uma nova realidade. Nada será como antes e por mais que nos custe, temos de aprender a viver neste "novo normal". Por enquanto ainda temos de colocar de lado os beijinhos e os abraços mas acredito que um dia poderemos voltar a abraçar as nossas pessoas queridas. Até lá, a vida continua e temos de nos mentalizar que agora é imprescindível o uso de máscara, não podemos esquecer de lavar as mãos com frequência e ainda impera o distanciamento social. Para o nosso bem e para o bem de todos. Mas só o facto de podermos sair à rua, aproveitar o ar livre e sentir este sol maravilhoso que brilha lá fora, já é alguma coisa de positivo no meio de tanta coisa menos boa que aconteceu nestes meses. 


Com o sol a brilhar e as temperaturas a aumentar começam também a mudar as nossas refeições. Ainda não está aquele tempo quente, que pede petiscos, churrascos e refeições mais ligeiras ao ar livre. Nesta altura ainda sabe bem uma refeição de tacho e com sabor a mar. Apesar de não consumir carne, costumo ainda fazer uma ou outra refeição de peixe, muito esporadicamente. E a massada de peixe é daqueles pratos tipicamente portugueses que me leva a viajar até à infância e cujo sabor eu adoro. A minha mãe fazia muitas vezes este prato lá em casa e usava sempre estas massas em forma de cotovelo. Claro que tentei recrear a receita na íntegra e usei a massa Cotovelos da Nacional, uma marca portuguesa e de confiança. Para além de esta ser uma refeição que rende bastante, é óptima para aproveitar as sobras de peixe de outras refeições ou até para usar aquelas partes menos nobres do peixe que muitas vezes não consumimos. Não deixem de experimentar e saborear esta receita que também está disponível, juntamente com tantas outras, no site da Nacional. E já agora, acompanhem todas novidades da marca no Instagram, bastando seguir o perfil @nacionalmarca.





Massada de Peixe

Ingredientes:
| 700 g peixe em postas
| 150 g de camarão descascado
| 1,2 Lt de água
| 3 c. (sopa) de azeite
| 1 cebola picada
| 1/2 pimento verde em tiras
| 1/2 pimento vermelho em tiras                        
| 2 dentes de alho picados
| 1 folha de louro
| 200 ml de polpa de tomate
| 1 dl de vinho branco
| 1 ramo de coentros
| sal e pimenta qb
| piri-piri qb

Preparação:
1 . Coloque as postas de peixe numa panela, cubra com a água temperada com sal e leve a cozinhar durante cerca de 20 minutos. Escorra as postas, reservando o caldo e passando-o pelo passador de rede. Quando as postas estiverem mornas, retire-lhes as espinhas e reserve.

2 . Leve um tacho largo ao lume com o azeite e aqueça. Adicione a cebola picada, os dentes de alho picados, a folha de louro e salteie até a cebola alourar. Junte os pimentos em tiras e salteie mais um pouco. Adicione a polpa de tomate, o vinho branco e os coentros picados e deixe cozinhar alguns minutos.

3 . Junte o caldo reservado ao tacho e deixe levantar fervura. Tempere a gosto com sal e pimenta e piri-piri, adicione a massa Cotovelos da Nacional e deixe cozinhar, mexendo de vez em quando. Quando a massa estiver quase pronta adicione o camarão e cozinhe mais um pouco (se necessário, acrescente mais um pouco de água)

4 . Por fim adicione as postas de peixe meio desfeitas, envolva, retire o tacho do lume e sirva a massada com coentros frescos picados.





Daim Cookies


Confesso que já tinha saudades de ligar o forno e fazer uma boa fornada de bolachas. Daquelas mesmo gulosas que quando começamos a comer fica impossível parar, estão a ver a coisa?! Apetecia-me umas bolachas de chocolate mas como não tinha cá em casa, nem pepitas de chocolate, nem chocolate de culinária, fui ver o que havia na gaveta dos doces. Dei de caras com uns chocolatinhos Daim e lembrei-me desta receita do livro Scandikitchen: Fika & Hyge da Brontë Aurell que há muito queria experimentar. Bem, vocês não estão bem a ver o quanto de deliciosas têm estas bolachas. São macias por dentro e depois quando trincamos os pedaços crocantes do toffee do chocolate... é de bradar aos céus. 

O chocolate Daim é típico dos países nórdicos, muito popular na Suécia. Por cá é fácil de encontrar, tanto nos supermercados como naquela loja sueca que vende móveis. Eu sempre que encontro não resisto a comprar e confesso que é dos meus chocolates preferidos, a seguir ao negro, claro. Mas com Daim ou sem Daim, não deixem de experimentar estas bolachas! Usem o vosso chocolate preferido, de leite, negro e até com chocolate branco deve funcionar. E se forem gulosos como eu, a lata das bolachas volta a ficar vazia num instante. 




Daim Cookies
(receita do livro "Scandikitchen: Fika & Hygge" de Brontë Aurell) 

Ingredientes: (para 22 bolachas)
| 150 g de manteiga
| 300 g de farinha s/ fermento
| 1/2 c. (chá) de bicarbonato de sódio
| 1/2 c. (chá) de açúcar baunilhado (ou extrato de baunilha)
| 1/4 c. (chá) de sal
| 150 g de açúcar amarelo
| 100 g de açúcar branco
| 1 ovo
| 1 gema de ovo
| 2 c. (sopa) de leite
| 5 barras de chocolate Daim (total 140 g) 

Preparação:
1 . Derreta a manteiga e reserve para arrefecer um pouco.

2 . Numa taça misture a farinha, o bicarbonato de sódio, a baunilha, o sal e reserve.

3 . Misture os açúcares com a manteiga derretida e bata. Adicione o ovo e a gema, o leite e bata novamente até os ingredientes ficarem bem misturados.

4 . Aos poucos adicione a farinha, mexendo bem para que fique bem incorporada. Pique grosseiramente as barras de chocolate Daim (ou outro chocolate) e adicione à massa, envolvendo com uma espátula. Embrulhe a massa em película aderente e reserve no frigorífico durante algumas horas.

5 . Pré-aqueça o forno a 190ºC e forre um tabuleiro de forno com papel vegetal.

6 . Forme pequenas bolas de massa com cerca de 40 g cada e distribua-as pelo tabuleiro, afastadas entre si cerca de 5 cm.

7 . Leve o tabuleiro ao forno cerca de 8-10 minutos ou até as bolachas começarem a ficar douradas. Remova do forno e deixe arrefecer um pouco (neste ponto as bolachas estarão ainda moles). Deixe arrefecer por completo sobre uma grelha (as bolachas estarão no ponto entre 1 hora a 1 hora e meia). Podem ser conservadas num recipiente hermético em local seco, durante uma semana




Bolinhos de Amêndoa com Glacé de Rosa


Que a vida passa a correr já todos sabemos. Também é do conhecimento geral que não podemos dar nada como garantido. O que ontem reconhecíamos como estando certo, hoje pode estar errado. O que ontem valia muito, hoje pode não valer nada. Os dias passam a correr e as saudades são mais que muitas. Hoje eu só queria dar-lhe um beijo, tocar-lhe, sentir-lhe a pele, o seu cheiro. Mas não posso. Hoje eu só queria dar-lhe um abraço apertado. Mas não posso. Os abraços curam feridas, sabiam?! Abraços são sinónimo de amor, de amizade, de compaixão e, neste caso, de saudade. Abraços preenchem espaços vazios nos nossos corações. Somos um povo de afectos e agora até temos um inimigo invisível que nos impede de abraçar quem gostamos. Mas ainda assim, dava tudo para a poder abraçar. Abraço de mãe acalma qualquer coração inquieto. É um porto de abrigo, é um amor sem fim.


Estes últimos tempos têm dado para reflectir acerca de muitos assuntos. Têm sido dias difíceis que nos afastaram a todos fisicamente. Mas creio que por outro lado nos vieram unir ainda mais e quando tudo acabar iremos valorizar mais as pessoas que nos rodeiam, iremos, com certeza, ser mais afectuosos. Não deixem de abraçar quem mais gostam. Nunca deixem um "gosto de ti" ficar esquecido numa conversa. A vida passa a correr, passamos a maior parte dos dias entre trabalho-casa, concentrados muitas vezes em tarefas e objectivos sem qualquer fundamento, focamo-nos em assuntos insignificantes que nos sugam as energias. Esquecemo-nos de viver e quando acordamos para a realidade verificamos que aquele telefonema, aquele abraço, aquele café que fomos adiando consecutivamente, já não é mais possível realizar. Aproveitem todos os minutos com a vossa família, os vossos amigos e, especialmente hoje, com as vossas mães. Dêem-lhes mimo, abracem-nas!

Hoje celebra-se o Dia da Mãe, um dia que nunca esqueço e que me traz sempre algum dissabor. Hoje eu só queria dizer-lhe "gosto de ti". Sorrir-lhe e oferecer-lhe estes bolinhos de amêndoa que, tenho a certeza, ela ia adorar. Se eu pudesse voltar atrás no tempo, nem que fosse por um dia. Sim, a vida passa a correr, a dor essa vai diminuindo mas a ferida estará sempre lá, um vazio que mais nenhum abraço poderá curar. Só o abraço de uma mãe.

Feliz Dia da Mãe!





Bolinhos de Amêndoa com Glacé de Rosa

Ingredientes:
| 175 g de manteiga
| 225 g de açúcar amarelo
| 130 g de amêndoa moída
| 120 g de farinha s/ fermento
| 4 ovos
| 1 c. (chá) de fermento
| 2 c. (sopa) de água de rosas
{para o glacé}
| 100 g de açúcar em pó
| 1 c. (chá) de água
| 1 c. (chá) de água de rosas
| 1 gota de corante rosa
| rosas para decorar

Preparação:
1 . Pré-aqueça o forno a 180ºC. Unte com manteiga e polvilhe com farinha 12 formas de queques (poderá também usar formas de papel para queques ou muffins).

2 . Bata a manteiga com o açúcar até obter um creme esbranquiçado. Sem deixar de bater, adicione os ovos, um de cada vez.

3 . Adicione a amêndoa moída, a farinha e o fermento e envolva com uma espátula, sem bater. Junte a água de rosas e envolva no preparado.

4 . Distribua a massa pelas formas e leve ao forno durante 20-25 minutos. Retire do forno e deixe arrefecer um pouco. Desenforme e deixe arrefecer completamente sobre uma grelha.

5 . Misture o açúcar em pó com a água e a água de rosas, junte o corante e envolva até atingir a cor e consistência desejadas.

6 . Distribua o glacé pelos bolos e decore a gosto com botões de rosa.






Iogurtes de Soja


Continuamos a lutar contra algo que veio alterar as nossas vidas, as nossas rotinas e a forma como olhamos para o mundo. Algo que veio roubar umas quantas vidas, que nos tirou o calor dos afectos, que nos roubou os beijos, os abraços e os apertos de mão. Não, não está a ser fácil e não não vai ficar tudo bem. As saudades de abraçar quem gostamos aumentam, muitos de nós viram partir familiares e amigos sem sequer se poderem despedir, gerando feridas que jamais irão sarar. A incerteza do que irá acontecer daqui para a frente aumenta a cada dia e paira no ar a eminência de uma crise económica. Urge voltarmos ao normal, dentro do possível. Urge recuperar a nossa economia, voltarmos aos nossos trabalhos e ajudarmos os pequenos comerciantes e produtores locais. Ajudar aqueles que de um momento para o outro deixaram de receber um ordenado e têm famílias para sustentar. Agora, mais do que nunca, temos de ser solidários e proteger o que é nosso, o que se faz por cá.


Estes dias em casa têm permitido a muitos de nós experimentar novas receitas. É a melhor altura para aprendermos a ser auto sustentáveis e fazermos em casa muitos dos produtos que costumamos comprar no supermercado. As vantagens são muitas e para mim as mais importantes são mesmo a poupança e o facto de podermos comer alimentos mais saudáveis. Um desses alimentos que costumo fazer em casa são os iogurtes vegetais. Não dão praticamente trabalho nenhum, ficam ao nosso gosto e são muito mais baratos quando comparados com os de compra. E nem sequer precisam de ter uma iogurteira para fazer estes iogurtes em casa. 

Mais abaixo poderão ler um artigo que escrevi em colaboração com o Alegro. Neste artigo explico como fazer iogurtes vegetais em casa e também as vantagens que poderão tirar daí. É muito mais simples do que pode parecer, acreditem. Se quiserem ler o artigo completo só têm de passar pelo site Alegro, ficam a saber como preparar um iogurte vegetal caseiro e também ficam a conhecer todas as novidades e sugestões do centros comerciais Alegro.


(artigo escrito em colaboração com o site Alegro)

Iogurtes Vegetais, faça-os você mesmo em casa

É do conhecimento geral que o consumo regular de iogurtes traz benefícios para a saúde (sejam eles naturais, iogurtes vegan ou iogurtes de soja). São ricos em proteína, são uma fonte natural de cálcio, regulam e fortalecem a nossa flora intestinal, tornando-a saudável e mais equilibrada, devido à presença de probióticos.

Nem sempre é fácil fazer iogurtes saudáveis em casa e infelizmente nem todos podemos consumir iogurtes preparados à base de leite de origem animal. É aqui que entram os iogurtes vegetais, uma opção mais saudável, adequada a vegans e vegetarianos ou para quem não pode ou simplesmente não quer consumir leite de origem animal.

Quem consome regularmente este tipo de iogurtes vegan sabe que por norma são mais caros, mais difíceis de encontrar e menos diversificados. E os que existem no mercado nem sempre agradam, ou porque apresentam uma textura estranha, ou o sabor não é o mais agradável ou, quando o é, apresentam na sua composição espessantes e adoçantes de origem duvidosa. Então, porque não prepararmos os nossos próprios iogurtes vegetais em casa?!

Como fazer iogurte vegetal caseiro?!
Preparar um iogurte vegetal em casa é uma tarefa simples e muito prática, no entanto leva o seu tempo, pois temos de contar com a fermentação e o repouso dos iogurtes no frigorífico depois de fermentados. Mas garanto-vos, vai valer a pena esperar para depois poderem degustar um iogurte caseiro delicioso. Apenas iremos necessitar de três elementos essenciais. Uma bebida vegetal (...)

(podem ler o artigo completo aqui)


Iogurte Vegetal de Soja

Ingredientes:
| 1 Lt de bebida vegetal de soja
| 1 c. (chá) de ágar-ágar em pó
| 1 c. (sopa) de amido de milho                                
| 125 g de iogurte de soja

Preparação:
1 . Leve um tacho ao lume com a bebida vegetal, adicione o ágar-ágar e o amido de milho. Aqueça e mexa constantemente durante 5-7 minutos até atingir a temperatura de 90ºC (um pouco antes de começar a ferver).

2 . Retire o preparado do lume e deixe arrefecer até atingir 40º-50ºC (cerca de 20-25 minutos).

3 . Adicione o iogurte de soja e mexa energicamente durante alguns segundos. Distribua a mistura por frascos de vidro esterilizados, tape-os usando as respectivas tampas ou película aderente e coloque-os na iogurteira, ligada durante 8 horas. 
  • Caso não tenha iogurteira e opte pelo forno: pré-aqueça o forno a 50ºC durante 10 minutos e desligue. Coloque os frascos fechados dentro de um saco térmico, feche e embrulhe o saco numa manta ou pano grosso. Coloque no forno desligado e mantenha, sem abrir o forno, durante pelo menos 8 horas. 
4 . Passado o tempo de fermentação, retire os iogurtes vegetais da iogurteira ou do forno e coloque-os no frigorífico durante algumas horas.