'Coq au Vin' Vegetariano


Nesta altura do ano nada me sabe tão bem como uma refeição de forno ou de tacho, preparada com ingredientes genuínos e sazonais, perfeita para confortar os nossos estômagos e aquecer os nossos corações. As sopas e os cremes aveludados são sempre bem vindos, mas adoro também um bom estufado, cozinhado lentamente numa panela de ferro. Estão a ver aqueles pratos que as nossas avós e as nossas mães preparavam ao lume, que levavam horas a ficar prontos mas que na hora de ir para a mesa nos faziam comer com prazer e até querer repetir o prato?! É desse tipo de refeições que falo e é isso que tentei recriar nesta receita.

Como muitos de vocês sabem, eu eliminei a carne da minha alimentação diária, pelo que estou sempre à procura de receitas alternativas, mas ao mesmo tempo saciantes e nutritivas para experimentar. Lembrei-me de recriar o clássico 'Coq au Vin', um prato típico da cozinha francesa, mas com origem na história romana, tendo surgido nos anos 50 a.C. É preparado com carne de galo ou frango e vinho tinto. E pelo facto de usarmos vinho neste prato, vamos obter um estufado muito mais apurado e saboroso, daqueles em que apetece molhar o pão em modo repeat. Obviamente não usei qualquer proteína animal neste prato, optei antes por usar apenas legumes como batatas, cenouras e cogumelos e servi com puré de batata. Podem usar também beterraba, nabo ou pastinaca.

Confeccionei este 'Coq au Vin' na minha Cocotte Evolution Le Creuset o que me permitiu um resultado  ainda melhor desta receita.  Estas panelas de ferro proporcionam estufados mais apurados, tudo graças ao material com que são fabricadas que permitem uma perfeita distribuição e retenção de calor, fazendo com que os ingredientes cozinhem uniformemente a baixa temperatura. Desta forma todos os nutrientes e vitaminas dos alimentos são mantidos, permitindo assim refeições mais sadáveis. Para além disso, são fáceis de manter, são aptas para todas as fontes de calor, inclusive o forno e duram toda uma vida. Estão à venda na loja Lecuine e neste momento é de aproveitar o desconto de 22% no modelo de 24 cm, nas cores vulcânico e cereja, a minha preferida.





'Coq au Vin' Vegetariano

Ingredientes:
| 1 cebola grande
| 4 dentes de alho
| 4 c. (sopa) de azeite
| 2 c. (sopa) de melaço
| 300 g de cogumelos 
| 1 cenoura grande
| 1 batata doce roxa grande
| 10 batatinhas pequenas
| 200 g de cenouras baby
| 2 folhas de louro                                 
| 1/2 c. (chá) de salva seca
| 1/2 c. (chá) de estragão seco
| 1 ramo de alecrim fresco
| 1 ramos de tomilho fresco
| sal e pimenta qb
| 1/2 litro de vinho tinto
| 1/2 litro de caldo de legumes
| 1 c. (sopa) de amido de milho

Preparação:
1 . Corte a cebola em duas metades. Pique uma metade finamente e coloque numa panela de ferro. Adicione os dentes de alho também picados, o azeite e salteie em lume brando durante até a cebola ficar translúcida. 

2 . Adicione o melaço e mexa durante 2 minutos, até a cebola caramelizar.

3 . Corte a outra metade da cebola em cubos, corte os cogumelos em metades, a cenoura e a batata doce também em cubos, as batatinhas em metades e coloque na panela juntamente com as cenouras baby.

4 . Adicione o louro, as ervas secas e as ervas frescas, tempere com sal e pimenta, misture e tape a panela, deixando os legumes "suar" durante 3-4 minutos.

5 . Adicione o vinho tinto e o caldo de legumes, até que todos os legumes fiquem submersos (se necessário adicione mais caldo). Deixe levantar fervura e de seguida baixe o lume, deixando os legumes cozinhar cerca de 40-45 minutos, mexendo de vez em quando.

6 . Dilua o amido de milho numa c. (sopa) de água e adicione ao estufado de legumes, mexendo até engrossar um pouco. Prove e rectifique os temperos, se necessário.

7 . Sirva o 'Coq au Vin' com puré de batata acabado de fazer.




Tarte Folhada de Ricotta, Batata Doce e Beterraba


Celebrar o amor é das coisas mais bonitas que podemos fazer nesta vida. E todos os motivos são válidos para o fazermos, não apenas hoje, Dia de São Valentim, mas todos os dias e sempre que nos apetecer. O amor é o sentimento mais puro e importante e é das coisas mais lindas que pode acontecer entre dois seres humanos, sejam eles namorados, conjugues, pai e filho, mãe e filho, o amor dos avós pelos netos e vice versa, o amor que sentimos pelo nosso animal de estimação... são tantas as formas de amar que nenhuma delas pode ou deve ser desvalorizada. Por isso celebremos este sentimento bonito, brindemos ao amor, às pessoas que mais gostamos e que damos graças por ter nas nossas vidas. Às vezes basta um gesto uma palavra, um olhar ou um "gosto de ti" para manifestar o amor que sentimos por alguém.

Eu tinha de partilhar aqui esta tarte com vocês. Não porque tenha a forma de coração e hoje seja precisamente o Dia dos Namorados. Mas antes porque é uma tarte mesmo deliciosa, perfeita para qualquer ocasião e também para qualquer refeição do dia-a-dia e não, não se deixem intimidar pela sua forma, pois ela fica igualmente boa, sendo também redonda, quadrada ou rectangular. Podem ainda usar outros legumes, como courrgette, abóbora ou beringela, dando-lhe assim outras tonalidades e sabores. A receita é adaptada de outra que vi a querida Aimee partilhar no seu Instagram. Assim que vi a tarte dela em formato rectangular, pensei logo em fazer esta em forma de coração e assim celebrar o amor. 





Tarte Folhada de Ricotta, Batata Doce e Beterraba

Ingredientes:
| 1 base de massa folhada redonda
| 3 batatas doces de polpa laranja 
| 3 beterrabas pequenas
| 3 dentes de alho
| sal e pimenta
| 1 fio de azeite
| 250 g de queijo ricotta
| 150 g de queijo mascarpone (ou natas)
| tomilho fresco
| 1 ovo p/pincelar

Preparação:
1 . Pré-aqueça o forno a 180ºC. Forre dois tabuleiros com papel vegetal e reserve.

2 . Descasque as batatas doces e as beterrabas, corte-as em tiras finas, usando uma mandolina e disponha-as, separadas, nos dois tabuleiros.

3 . Lamine os dentes de alho e distribua sobre a batata doce e a beterraba. Salpique com um pouco de sal e regue com um fio de azeite. Tape os tabuleiros com papel de alumínio e leve ao forno por 20-25 minutos.

4 . Desenrole a base de massa folhada e Dê-lhe a forma de um coração, cortando o excedente de massa com uma faca.

5 . Com um garfo misture o queijo ricota com o mascarpone. Tempere com sal e pimenta e junte o alho que foi ao forno com os legumes. Junte umas folhas de tomilho fresco e misture tudo muito bem.

6 . Distribua a mistura de queijos sobre a massa folhada, deixando um rebordo com cerca de 2cm em toda a volta.

7 . Forme pequenas rosas com a batata doce e a beterraba e distribua na tarte. Salpique com folhas de tomilho e de seguida dobre o excedente de massa para dentro, pressionando bem com os dedos. 

8 . Pincele a massa em volta da tarte com ovo batido e leve ao forno, agora pré-aquecido a 200ºC, durante cerca de 15-20 minutos.

9 . Sirva a tarte, morna ou fria, acompanhada de uma salada de folhas verdes.



Mini Savarin de Chocolate e Trigo Sarraceno


Já dizia Fernando Pessoa que a poesia é o alimento da alma assim como a comida é o alimento do corpo. Se juntarmos aqui o mais importante dos sentimentos, o amor, temos a trilogia perfeita para celebrar. Numa altura em que mais do que nunca, é importante manifestar e celebrar o amor que sentimos por alguém, a minha sugestão passa por fazer uma ode ao romance através da comida. Este ano todos festejamos o Dia de S. Valentim em casa, então porque não surpreender a pessoa de quem gostamos com um brunch delicioso ou uma sobremesa irresistível?! Todos os motivos são válidos para celebrar o amor e por vezes basta um pequeno gesto ou uma manifestação de carinho. Vão para a cozinha, convidem a vossa cara metade a participar e façam aquela receita que vai fazer crescer água na boca. E não esqueçam de adicionar o melhor ingrediente de todos, o amor.


A minha sugestão de sobremesa para este Dia de São Valentim, apesar de ter um aspecto mais requintado, é simples de preparar. É feita com chocolate, aquele ingrediente que derrete corações e não deixa ninguém indiferente. Preparei estes Mini Savarin de Chocolate e Trigo Sarraceno com a Farinha de Trigo Sarraceno Biológica da Nacional, uma farinha 100% natural, fonte de fibras e proteínas, perfeita para inovar na cozinha e de forma equilibrada. Proveniente de agricultura biológica, esta farinha é produzida de forma tradicional em moinho de pedra, conservando assim todas as suas propriedades e sabor. Juntei-a ao chocolate criando a dupla perfeita para apresentar uma sobremesa irresistível e vestida a rigor,  para oferecer e partilhar com quem gostamos e para repetir se assim apetecer. Experimentem esta sobremesa que se desfaz na boca, que é pura poesia para as nossas almas e que nos aquece os corações. Já sabem, vão para a cozinha neste Dia de São Valentim e celebrem o amor!






Mini Savarin de Chocolate e Trigo Sarraceno

Ingredientes: (para 10 mini Savarin ou 1 Savarin grande)
| 200 g de chocolate para culinária
| 120 g de manteiga
| 4 ovos
| 120 g de açúcar amarelo
| 1 c (chá) de fermento                                  
{para a cobertura}
| 100 g de Mascarpone
| 75 ml de natas para bater 
| 1 + 1/2  c. (sopa) de açúcar em pó
| 50 g de framboesas
| corações de açúcar
 
Preparação:
1 . Pré-aqueça o forno a 180ºC. Unte bem com manteiga e polvilhe com farinha 10 formas de muffins ou, em alternativa, use uma forma grande com buraco.

2 . Pique grosseiramente o chocolate, coloque numa taça de vidro juntamente com a manteiga e derreta em banho-maria ou leve a derreter ao microondas em intervalos de 30 segundos.

3 . Bata os ovos com o acúcar até ficar bastante cremoso.

4 . Adicione a Farinha de Trigo Sarraceno Biológica da Nacional e o fermento e envolva.

5 . Aos poucos adicione o chocolate derretido e envolva até obter uma massa homogénea.

6 . Distribua a mistura pelas formas e leve ao forno cerca de 15 minutos.

7 . Retire os savarin do forno, desenforme e deixe arrefecer completamente sobre uma grelha.

8 . Bata o Mascarpone com as natas e 1 c. (sopa) de açúcar até ficar bem firme. Coloque num saco de pasteleiro e decore a gosto cada um dos savarin.

9 . Triture as framboesas com 1 c. (chá) de açúcar em pó e de seguida passa por um coador de rede fina, por forma a eliminar as grainhas. Distribua sobre o creme de Mascarpone e decore com framboesas e corações de açúcar.







Croissants


Com este tempo frio o que mais gosto de fazer é ligar o forno e preparar receitas com massas lêvedas. Sabe sempre bem ter disponível ao pequeno almoço ou mesmo ao lanche, pequenos pães doces preparados em casa, um brioche ou mesmo um bolo. E croissants também. O que eu gosto de croissants! Apesar de gostar dos que são feitos com massa de brioche, os de massa folhada são mesmo os meus preferidos. E acreditem ou não, já tinha feito croissants antes em casa, mas estes são os meus primeiros croissants feitos por mim com uma massa preparada de raíz. Só vos posso dizer que são dos melhores que já comi. Sim, dá algum trabalho e leva tempo até a massa estar pronta a ir ao forno. Mas posso garantir-vos que vale tanto a pena, não só pelo resultado final, mas também pelo cheiro que se espalha pela casa enquanto os croissants estão no forno.

A receita vem de fonte segura e experimentei-a pela primeira vez, há três anos atrás, num Workshop de pastelaria que fiz com a minha querida amiga Rosa Cardoso, autora do blog Be Nice, Make a Cake. Sendo ela pasteleira profissional, as receitas resultam sempre. Para além dos croissants, fizemos ainda nesse workshop pastéis de nata, torta de chocolate, doce de ovos, massa areada e tantas, tantas outras iguarias deliciosas. Caso queiram frequentar esse workshop só precisam de estar atentos às redes sociais da Rosa ou então entrar em contacto directo com ela.


Com alguma vergonha, confesso, demorei todo este tempo a reproduzir a receita em casa. Afinal de contas não é assim tão difícil fazer em casa uns croissants deliciosos, tão bons ou ainda melhores que os que se vendem em muitas pastelarias famosas. Agora que fiz esta massa em casa já só quero repetir a receita e para além dos croissants simples, quero também experimentar com chocolate, amêndoa ou doce de ovos. E já  estou a pensar noutras alternativas como os deliciosos pains au chocolat que eu adoro e que também podem ser feitos com esta massa.

Para os mais distraídos, aproveito para relembrar que a Rosa tem um livro lindo de pastelaria, chama-se "A Sair do Forno" e que é obrigatório ter em casa. E se comprarem aqui recebem o livro autografado. São 50 receitas de pães, bolos, tartes, bolinhos, cremes e massas de todos os tipos aos quais é difícil resistir. Se ainda não compraram o livro, garanto que vale a pena comprar e não se vão arrepender. E não, não vem lá a receita dos croissants, por isso eu pedi autorização à Rosa e estou aqui a partilhá-la com vocês. Espero que gostem e aproveitem este fim de semana, que vai ser de chuva, para fazer estes croissants maravilhosos.





Croissants
(receita de Rosa Cardoso, autora do blog Be Nice, Make a Cake)

Ingredientes:
| 500 g de farinha T65
| 5 g de sal marinho
| 80 g de açúcar granulado
| 10 g de fermento seco de padeiro
| 300 ml (aprox.) de água fria
| 300 g de manteiga sem sal, fria
| 1 ovo p/ pincelar

Preparação:
1 . Na taça da batedeira coloque a farinha. De um lado junte o açúcar e o sal e do outro lado o fermento.

2 . Adicione a água aos poucos e amasse em velocidade baixa durante 2 minutos (poderá não necessitar da água toda). De seguida amasse por mais 7 minutos em velocidade média (irá obter uma massa dura). Forme uma bola com a massa, embrulhe em película aderente e deixe repousar no frigorífico durante 40 minutos.

3 . Divida a manteiga em duas partes iguais (150 g cada) e forme dois quadrados com 20cm x 20 cm (facilita estender a manteiga entre duas folhas de papel vegetal) e reserve.

4 . Retire a massa do frio e estenda-a com o rolo, formado um rectângulo com 35cm x 20 cm. Divida visualmente o rectângulo em 3 partes iguais e coloque um quadrado de manteiga sobre duas dessas partes. Dobre a terceira parte da massa sobre a manteiga do centro e coloque o segundo quadrado de manteiga no centro. Dobre novamente a primeira parte da massa por cima da manteiga.

5 . Gire a massa no sentido dos ponteiros do relógio, pressione bem as laterais para que a manteiga não saia, embrulhe em película aderente e leve ao frigorífico durante 1 hora.

6 . Retire a massa do frio e estenda-a novamente, formando um rectângulo com 60cm x 20cm.

7 . Repita todo o processo das voltas durante mais duas ou três vezes, respeitando os tempos no frio e não esquecendo de rodar a massa sempre para o mesmo lado cada vez que vai estender. Após a última volta, leve a massa ao frigorífico durante 8 horas ou de um dia para o outro.

8 . Estenda a massa num rectângulo com aprox. 60cm x 20cm e com cerca de 7 mm de espessura. Corte triângulos de massa para formar os croissants.

9 . Enrole cada triângulo de massa começando pela extremidade mais larga (se desejar poderá colocar um recheio, como chocolate ou compota, antes de enrolar) e coloque os croissants num tabuleiro forrado com papel vegetal, deixando levedar cerca de 30 minutos.

10 . Pincele os croissants com ovo batido e leve ao forno pré-aquecido a 200ºC (sem ventilação) durante 15-20 minutos.





Sopa Minestrone com Cevada, Feijão e Macarronete


Dia-não-sei-quantos-de-um-confinamento-que-não-tem-fim-à-vista. É verdade que todos estamos cansados disto. É verdade que ninguém pensou que esta pandemia fosse demorar tanto tempo a ser ultrapassada. Assim como é verdade que muitos de nós jamais imaginámos, directa ou indirectamente, vir a ser atingidos por este vírus maldito que se replica à velocidade da luz. Eu quero acreditar que tudo vai melhorar. Vai levar o seu tempo, claro. Temos de ser pacientes com todo o processo. Não vamos todos ficar bem, mas pelo menos que isto sirva para nos tornar mais fortes, mais unidos e melhores seres humanos. Afinal de contas isto é um problema que a todos diz respeito e que não escolhe idades, sexos, estatutos sociais, ou religiões. Unidos seremos sempre mais fortes. Pensemos em nós mas também naqueles com quem socializa(va)mos todos os dias. Que em breve possamos voltar a ser livres como antes, a beijar e a abraçar sem medos e que esta pandemia seja apenas uma má recordação do passado.


Enquanto a maioria de nós continua confinado em casa, o melhor que há a fazer é ir para a cozinha e experimentar novas e deliciosas receitas. Ou então repetir e aprimorar aquelas de que gostamos tanto e que nos fazem verdadeiramente felizes. No meu caso e particularmente nesta altura do ano, são as sopas que ganham particular destaque na minha cozinha. Nestes dias frios de Inverno, nada me sabe melhor que uma sopa bem quente e reconfortante, preparada com ingredientes simples e nutritivos. Esta é uma sopa de sustento, daquelas que serve perfeitamente como uma refeição, que nos deixa saciados e muito satisfeitos. Desde criança que fui habituado a comer estas sopas, que naquele tempo eram cozinhadas no lume, numa panela de ferro. Preparadas logo pela manhã, ficavam a apurar ao longo do dia em "lume lento" e eram feitas com os ingredientes que havia lá por casa. 

Um ingrediente que nunca faltava nestas sopas era a massa. Combina perfeitamente com o feijão, a couve, a abóbora, a batata ou o que mais quisermos acrescentar. Usei também cevada a fim de criar uma sopa ainda mais nutritiva. Porque estas sopas são mesmo assim, permitem-nos dar largas à imaginação e usar o que mais gostarmos. Umas vezes cotovelos, outras curvas ou macarrão, desta vez usei o delicioso Macarronete da Nacional. Estas massas, que apresentam uma forma curva, ligam na perfeição com sabores simples ou delicados, sendo uma boa base para experimentar receitas mais ousadas ou mais tradicionais. O Macarronete da Nacional combina na perfeição com molho de tomate e fica perfeito num prato de forno ou numa jardineira de legumes, por exemplo. Não deixem de experimentar esta deliciosa receita, usem e abusem dos produtos da Nacional, que apresentam uma vasta gama que nos permite dar largas à imaginação, na hora de preparar uma refeição. Visitem o site e inspirem-se neste separador que tem tantas receitas deliciosas.






Sopa Minestrone com Cevada, Feijão e Macarronete

Ingredientes:
| 3 c. (sopa) de azeite
| 1 cebola
| 1 folha de louro
| 1 c. (chá) de tomilho seco
| 2 dentes de alho
| 2 cenouras
| 1 courgette
| sal e pimenta qb
| 400 g de polpa de tomate
| 1/2 c. (chá) de paprika fumada                                                
| 1,5 Lt de caldo de legumes (ou água)
| 100 g de cevada previamente demolhada
| 100 g de feijão manteiga cozido
| 100 g de feijocas cozidas
| coentros picados

Preparação:
1 . Leve uma panela funda e larga ao lume e salteie a cebola picada no azeite quente até ficar translúcida.

2 . Junte a folha de louro e o tomilho seco, o alho picado, as cenouras em rodelas, a courgette em cubos, tempere com sal e pimenta e salteie durante 5 minutos, até os legumes ficarem tenros.

3 . Adicione a polpa de tomate, a paprika fumada, o caldo de legumes e envolva. Deixe levantar fervura e junte a massa Macarronete Nacional e a cevada demolhada. Tape a panela, reduza o lume e deixe cozinhar durante cerca de 10 minutos.

4 . Destape a panela e adicione o feijão e as feijocas e cozinhe por mais 5 minutos. Se achar necessário acrescente mais caldo de legumes ou água à sopa. 

5 . Descarte a folha de louro e sirva a sopa a gosto com coentros frescos picados e pão torrado a gosto.