Empada de Quinoa, Abóbora e Castanha


Celebra-se hoje o Dia Mundial da Alimentação. Nos últimos tempos muito se tem falado sobre alimentos e hábitos alimentares. É certo que com o passar dos anos e com o acesso que temos à informação, os nossos hábitos de consumo vão mudando. Mas a informação sobre alimentação a que temos acesso é tanta que chega a ser contraditória. Ainda assim penso que o foco principal acaba por ser sempre o mesmo e ainda bem. Todos estamos preocupados com a sustentabilidade do nosso planeta e com a nossa saúde. Continuo a achar que é tudo uma questão de equilíbrio e moderação e que devemos ser conscientes na hora de escolher o que comemos. Conhecer a origem dos alimentos que ingerimos, tentar ao máximo escolher ingredientes sazonais, locais e nacionais, evitando assim uma pegada ecológica. Comprar, dentro do possível, ingredientes biológicos. Reduzir o consumo de carne e peixe e introduzir mais legumes e leguminosas nas nossas refeições. Estes são pequenos hábitos que aos poucos nos ajudam a melhorar a nossa saúde e a preservar o planeta.

Penso que também é importante sermos nós a cozinhar aquilo que comemos. A maioria das pessoas não sabe cozinhar e há muito tempo que eu defendo que esta deveria ser uma disciplina a introduzir nas escolas. É importante conhecer os alimentos, saber a que estação pertencem, como cultivá-los até. Mas mais importante é sabermos o que estamos a comer e nada se compara ao prazer de ingerir algo feito por nós com ingredientes verdadeiros, não processados e que sabemos que nos vão manter nutridos, sem causar danos na nossa saúde.


Eu próprio mudei os meus hábitos alimentares. Não sigo qualquer dieta e também não vou atrás de modas. Não gosto de fundamentalismos, mas sou consciente na hora de escolher o que como. As receitas que partilho no blog reflectem um pouco da minha alimentação diária. E o meu guilty pleasure continuam a ser os doces. Adoro fazer bolos e nunca declarei guerra ao açúcar, mesmo sabendo que pode ser prejudicial. Mas caramba, uma coisa é ingerir açúcar todos os dias e em todas as refeições. Outra coisa é fazer um bolo de vez em quando para celebrar um momento especial e partilhar com quem gostamos. Uma vez mais, é uma questão de equilíbrio.

Sou criterioso na escolha dos ingredientes e quem me segue no Instagram, certamente já se apercebeu que eu mudei a minha alimentação. Deixei de comer carne há praticamente seis meses. Foi uma decisão pessoal e não fundamentada que me trouxe alguns benefícios pessoais. Cá em casa, praticamente todas as refeições são vegetarianas. E apesar de continuar a consumir queijo, leite e ovos, sou muito exigente e opto sempre por comprar ovos caseiros de galinhas criadas no campo e ao ar livre.

A receita de hoje é vegan pois não tem qualquer produto de origem animal. É uma receita simples e que queria experimentar já há algum tempo. Decidi partilhá-la a convite da Oliveira da Serra, que me desafiou a criar uma receita com um dos seus azeites, para este Dia Mundial da Alimentação. Como adoro azeite e sendo esta a gordura à qual dou privilégio na hora de cozinhar, aceitei o desafio e partilho uma receita equilibrada, feita com ingredientes sazonais, enriquecida com as propriedades da quinoa e com uma base de farinha de espelta, mais saudável que a farinha de trigo comum. Optei por usar o azeite virgem extra Gourmet Oliveira da Serra, mas sintam-se à vontade para escolher aquele que mais gostarem, dentro da vasta gama de azeites desta marca.






Empada de Quinoa, Abóbora e Castanha
(receita adaptada do site Pingo Doce)

Ingredientes:
{para a massa}
| 200 g de farinha integral de espelta
| 100 g de farinha branca de espelta
| 2 c. (sopa) de linhaça moída
| 1 c. (chá) de sal
| 1 dl de água
{para o recheio}
| 150 g de quinoa
| 3 dl de água
| sal qb
| pimenta moída na hora qb
| 2 chalotas picadas
| 400 g de abóbora Hokaido (ou Butternut) em cubos
| tomilho fresco qb
| 200 g de espinafres
| 50 g de nozes
| 200 g de castanhas descongeladas

Preparação:
1 . Passe a quinoa por água corrente, coloque-a num tacho com a água e uma pitada de sal e deixe cozinhar durante cerca de 15 minutos ou até o liquido evaporar. Retire do lume e reserve.

2 . Prepare a massa, misturando as farinhas com a linhaça moída e o sal num robot de cozinha. Adicione o azeite, a água e seleccione a função "amassar" durante 1-2 minutos (em alternativa, amasse à mão, adicionando gradualmente os ingredientes líquidos aos sólidos e amassando até atingir uma massa moldável). Forme uma bola com a massa e deixe a descansar durante 20 minutos.

3 . Pique finamente as chalotas e leve-as ao lume com o azeite numa frigideira larga. Adicione a s castanhas cortadas em metades, a abóbora cortada em cubos, tempere com sal e pimenta e junte umas folhas de tomilho. Salteie em lume médio durante 10 minutos, mexendo de vez em quando e até a abóbora começar a caramelizar.

4 . Pré-Aqueça o forno a 180ºC.

5 . Adicione os espinafres à mistura de abóbora e castanha, junte a quinoa cozida e envolva até os espinafres murcharem. Retire do lume, adicione as nozes grosseiramente picadas, misture e deixe arrefecer um pouco.

6 . Estenda 2/3 da massa com o rolo e forre uma tarteira de fundo amovível com cerca de 25cm de diâmetro e 3-4 cm de altura. Pique a massa levemente com um garfo e recheie com o preparado de quinoa.

7 . Estenda a restante massa em forma de círculo com o diâmetro ligeiramente maior que a tarteira e coloque-a sobre o recheio, unindo bem os bordos de ambas mas massas em toda a volta. Faça 2 ou 3 orifícios na superfície da massa, para que ao saia e leve a empada ao forno durante 45 minutos.

8 . Retire a empada do forno e sirva com tomate Cherry assado ou uma salada de folhas verdes.







Pães de Leite Com Cogumelos e Ovos Mexidos


Se existe refeição que eu gosto é o pequeno almoço. Esta é a refeição mais importante do dia ou não fosse ela a primeira. É o pequeno almoço que nos vai dar energia e vitalidade para dar início às tarefas diárias e por isso deve ser uma refeição variada e rica em nutrientes. Gosto de saborear sempre um bom pequeno almoço, de preferência sentado à mesa e com tempo. Tento variar sempre na escolha dos ingredientes, evitando assim repetir os pequenos almoços. Se num dia como uma bowl de fruta e iogurte, no outro como torradas com abacate ou iogurte simples com mel e granola. Mas agora que as manhãs estão mais frias, confesso que não dispenso as minhas papas de aveia ou uns ovos mexidos.


Nem sempre é fácil tomar o pequeno almoço de forma descontraída. Ou porque adormecemos e já estamos atrasados, ou porque nos deitámos tarde na noite anterior e queremos ficar mais um pouco na cama ou até porque nos esquecemos de descongelar ou comprar pão no dia anterior. Para essas situações existem os novos Manhãzitos Pão de Leite Cereais e Sementes que para além de serem bastante práticos, são ainda uma fonte de proteína, ferro e fibra. Acompanhados pelos ingredientes certos, sumo e uma peça de fruta, tornam qualquer pequeno almoço versátil e equilibrado. Aqui servi os pães de leite com cogumelos salteados e ovos mexidos, uma combinação deliciosa e que me deixa saciado logo pela manhã.




Pães de Leite com Cogumelos e Ovos Mexidos

Ingredientes: (para 2 pessoas)
| 4 ovos
| azeite q.b
| flor de sal
| salsa fresca picada
| 150 g de cogumelos laminados             
| pimenta
| alho em pó

Preparação:
1 . Bata os ovos até que fiquem cremosos e reserve. Leve uma frigideira ao lume com um fio de azeite e aqueça. Quando estiver quente verta nela os ovos, tempere com flor de sal e vá mexendo com uma colher de pau até os ovos estarem cozinhados. Retire, salpique com salsa fresca picada e reserve.

2 . Na mesma frigideira verta um fio de azeite e leve a aquecer. Coloque os cogumelos e tempere com flor de sal, pimenta e alho em pó. Salteie os cogumelos até que fiquem dourados.

3 . Abra os Manhãzitos ao meio, na longitudinal. Disponha neles uma camada de cogumelos e outra bem generosa de ovos mexidos. Sirva e acompanhe com sumo de laranja.






Arroz Doce da Minha Mãe [TEKA - Uma Receita Para a Vida]


Cada vez mais me convenço que a cozinha é sem dúvida alguma o coração da casa. É nela que tudo gira sendo o centro de toda a vida familiar. Ali "cozinha-se a vida" e são criadas as mais profundas memórias. É como um laboratório de experiências, no qual criamos as nossas refeições, alimentamos o corpo, a mente e a alma, acompanhados da família e dos amigos. Todas elas são diferentes, umas maiores outras mais pequenas, mas todas especiais. Hoje em dia as cozinhas são espaços de convívio, sendo projectadas não apenas como o local onde se cozinha mas como o espaço ideal de partilha de afectos, um espaço onde se cozinham muito mais que alimentos ou se prepara apenas comida. A cozinha é o espaço ideal para todo o tipo de famílias criarem memórias inesquecíveis, onde se cozinham experiências repletas de amor e emoção. 


"Uma Receita Para a Vida"

A TEKA lançou recentemente este vídeo que representa o que descrevi anteriormente. Adoro o vídeo, não só porque me relembra o quão importante é a família mas também porque me leva a viajar até às minhas memórias de infância, aos momentos que eu passava na cozinha com a minha mãe a confeccionar receitas. Ainda hoje guardo na memória o cheiro do pão acabado de fazer no forno de lenha. Da "sopa de entulho" que era feita ao lume e preparada com tanto amor, logo pela manhã, na panela de ferro. E claro, do arroz doce feito por ela e do cheiro a canela que ficava no ar. O que adorava rapar o fundo do tacho com uma colher e ser enxotado com carinho! A cozinha é mesmo um espaço de amor.


Independentemente do que acontecer e do nosso percurso ao longo da vida, há sabores que nunca vamos esquecer e que iremos guardar com carinho na memória. Esse sabor para mim é o do arroz doce. Posso afirmar que é a receita da minha vida e é desde sempre a minha sobremesa preferida. Assim como a indispensável canela que o acompanha é a minha especiaria preferida. São aquelas memórias de infância que ficam para sempre, que nos trazem alguma nostalgia e que foram criadas com tanto amor e carinho. Vi tantas vezes a minha mãe fazer esta receita que praticamente a sei de cor. Não existem quantidades certas, pois era feita a olho, mas saía sempre bem. E por mais que tente, o meu arroz doce nunca será igual ao dela. Falta ali aquela pitada de amor, o afecto materno e o toque de magia que só as mães sabem colocar em cada prato que fazem. 




Arroz Doce da Minha Mãe

Ingredientes:
| 150 g de arroz carolino (eu uso arbóreo)
| 400 ml de água
| 1 pitada de sal 
| 1 litro de leite meio gordo
| 150 g de açúcar amarelo
| 3 cascas de limão (só a parte amarela)
| 1 pau de canela
| 3 gemas de ovo
| canela em pó para servir

Preparação:
1 . Leve um tacho ao lume com a água, o sal, as cascas de limão e o pau de canela. Quando começar a ferver junte o arroz e deixe cozinhar até toda a água ter sido absorvida.

2 . Aqueça o leite e aos poucos vá adicionando pequenas quantidades de leite ao arroz, mexendo sempre e em lume brando. Mexa sempre até obter um arroz bem cremoso, nem muito liquido nem muito sólido.

3 . Retire o tacho do lume, remova as cascas de limão e o pau de canela e adicione o açúcar. Mexa de forma a que o açúcar fique bem envolvido no arroz.

4 . Coloque as gemas numa tacinha e junte 3-4 c. (sopa) de arroz. Mexa rapidamente para incorporar. Adicione agora as gemas ao restante arroz e leve de novo ao lume mexendo durante 1-2 minutos até obter a cremosidade desejada.

5 . Distribua o arroz por tacinhas ou coloque numa travessa e deixe arrefecer. Na hora de servir polvilhe com canela em pó.








Crepes Integrais de Espelta e Limão


É inevitável, o Outono chegou. Os dias estão agora bem mais pequenos, amanhece muito mais tarde e anoitece mais cedo. As manhãs estão agora mais frias e até já pedem um casaquinho. E eu não estou nada preparado para isto. Ainda ontem estava de férias, a apanhar banhos de sol e com um tempo maravilhoso e de repente estamos no Outono e tudo muda. Confesso que até nem desgosto destes dias, os últimos do Verão que se fundem com a nostalgia do Outono. As temperaturas continuam amenas, o sol ainda brilha e começam a chegar à mesa toda uma série de novas frutas e legumes. Começa a apetecer ligar o forno, deixamos as saladas de lado e damos as boas vindas à comida de conforto, aquela que nos sacia e alimenta a alma.  Bem vindo Outono!


Mas enquanto os meus pensamentos continuam lá, nas férias, é chegado o momento de voltar à vida normal. De arregaçar as mangas, tirar os tachos dos armários e voltar a cozinhar novas e deliciosas receitas. A receita que trago hoje é perfeita para estas manhãs de Outono. Podem preparar a massa de véspera e deixar a repousar no frigorífico. No dia seguinte, de manhã, é só meter mãos à obra e em poucos minutos têm uns deliciosos crepes prontos para devorar. É a receita ideal para fazer num fim de semana de preguiça e saborear devagar. 

Estes crepes são ainda mais saudáveis, pois levam uma quantidade irrisória de açúcar, que pode ser ajustada ao gosto de cada um, são feitos com bebida vegetal de espelta, podendo esta ser substituída por aveia, levam ainda azeite e a farinha usada é a Farinha de Espelta Integral da Nacional. Esta farinha é bastante completa em termos nutricionais, isto porque o trigo espelta é um cereal ancestral altamente energético, com hidratos de carbono complexos e uma boa fonte de proteínas de alto valor biológico. Preocupada com as exigências dos consumidores, a Nacional criou esta farinha integral que permite uma grande variedade de utilizações para quem procura uma alimentação mais equilibrada.







Crepes Integrais de Espelta e Limão

Ingredientes:
| 2 ovos
| 550 ml de bebida vegetal de espelta (ou aveia)
| 3 c. (sopa) de azeite (ou óleo de coco)
| 1 pitada de sal
| 2 c. (sopa) de açúcar amarelo (ou de coco)
| 1 c. (chá) de extrato de baunilha                                  
| raspa de 1 limão
| mel (ou xarope de ácer) q.b.
| canela q.b
| nozes picadas q.b.
| groselhas (ou framboesas) para servir

Preparação:
1 . Bata os ovos, junte a bebida vegetal de espelta, o azeite, o sal, o açúcar e a baunilha e bata mais um pouco. Adicione a farinha e a raspa de limão e bata para incorporar (ou, em alternativa, coloque todos os ingredientes num robot de cozinha e bata numa velocidade média durante cerca de 1 minuto). Deixe a massa repousar cerca de 30 minutos.

2 . Aqueça uma frigideira anti-aderente e coloque nela um fio de azeite ou óleo de coco. Unte toda a superfície da frigideira, usando uma folha de papel absorvente (repita este processo entre cada crepe).

3 . Use uma concha de sopa para verter porções de massa na frigideira. Espalhe bem a massa por forma a que os crepes fiquem o mais fino possível. Deixe o crepe cozinhar e quando estiver dourado descole as laterais com uma espátula e vire-o, cozinhando-o do outro lado.

4 . Regue cada crepe com um fio de mel, polvilhe com canela e dobre em forma de guardanapo. Sirva com nozes picadas e groselhas ou outra fruta a gosto.