Canja de Bacalhau


Para estes dias mais frios apetecem as sopas, quentes e reconfortantes. Umas mais simples, outras mais elaboradas mas todas cheias de sabor. Nada sabe melhor, na hora de alimentar o estômago, do que saborear uma boa taça de sopa acabada de cozinhar. Puro conforto para a alma, não concordam?! E neste capítulo das sopas entram também as canjas, esse prato tão tipicamente português, tão simples de confeccionar e a que tantas vezes recorremos quando pretendemos recuperar de uma gripe ou constipação. A canja mais típica é a de galinha mas existem outras variantes como a canja de amêijoas ou esta que trago hoje, a canja de bacalhau.


A canja de bacalhau é um prato típico da minha infância, muito apreciado pelo meu pai e que muitas vezes era confeccionado lá em casa. Era também um prato a que a minha mãe recorria para aproveitar as postas de bacalhau cozido que sobravam de outras refeições. Com uma ou duas postas era possível fazer uma generosa quantidade de canja que deixava toda a gente satisfeita. Confesso que na altura, a canja de bacalhau não era das coisas que mais apreciava mas com o tempo fui aprendendo a gostar mais desta sopa, preparada com aquele ingrediente tão usado na gastronomia portuguesa, o bacalhau. 

Apesar de a versão da minha mãe ser diferente, pois ela usava arroz em vez de massa, era igualmente deliciosa. Eu prefiro usar a massa nesta canja e costumo até variar no tipo de massa. Aqui escolhi a massa Letras da Nacional, sendo esta também uma estratégia para que até os mais pequenos saboreiem de forma mais divertida uma sopa rica e saudável, enquanto descobrem as diferentes letras do alfabeto. Podem usar outras massas nesta receita, como a Pevide ou as Argolinhas, massas disponibilizadas pela Nacional e de óptima qualidade. Podem ver aqui toda a variedade de massas comercializada pela marca. E se procuram inspiração para cozinhar, espreitem esta e outras receitas deliciosas, disponíveis no separador "Receitas" no site da Nacional.






Canja de Bacalhau

Ingredientes:
| 2 lombos de bacalhau
| 1 folha de louro
| 1 cebola
| 2 dentes de alho
| 2 c. (sopa) de azeite             
| 1 cenoura
| sal qb
| 1 raminho de coentros
| 6 ovos escalfados

Preparação:
1 . Coloque os lombos de bacalhau num tacho, junte 2 litros de água, a folha de louro e leve ao lume. Quando levantar fervura, desligue o lume e deixe o bacalhau de molho na água, até arrefecer.

2 . Escorra o bacalhau, reservando a água da cozedura. Retire a pele e as espinhas e desfaça o bacalhau em lascas. Reserve.

3 . Pique a cebola e os dentes de alho, coloque num tacho e junte o azeite. Salteie até a cebola ficar translúcida e de seguida adicione a cenoura em cubos. Salteie mais um pouco.

4 . Adicione a água do bacalhau, tempere com sal e deixe levantar fervura. Junte a massa Letras da Nacional e deixe cozinhar durante 10 minutos.

5 . Junte o bacalhau, rectifique o sal, misture e desligue o lume. Adicione os coentros picados e envolva. Sirva a canja com os ovos escalfados.





Quinotto de Curcuma e Cogumelos


É notório que os dias estão bem mais frios. O Outono chegou em força e o Inverno aproxima-se a passos largos. Com as temperaturas a baixar, baixam também as nossas defesas, o nosso sistema imunitário fica mais debilitado, o que nos leva a padecer de gripes e constipações. Porque nestas coisas mais vale prevenir do que remediar, é em casa, com a nossa alimentação diária, que podemos evitar ou combater essas maleitas, fortalecendo o nosso sistema imunitário. E se uma chávena de chá com mel e limão pode ajudar na prevenção de gripes e constipações, também as nossas refeições principais o podem fazer. Para isso basta escolher os ingredientes certos, aqueles que a Natureza tão gentilmente nos oferece em cada estação, sem pedir nada em troca. 


Desafiado pelo Alegro a escrever um artigo sobre "como fortalecer o sistema imunitário", apresento algumas dicas essenciais bem como os ingredientes que nos irão ajudar a criar defesas e a rejuvenescer as nossas células. Todos sabemos que é nesta altura, quando as temperaturas se aproximam cada vez mais dos 0ºC, que o nosso sistema imunitário fica mais debilitado e necessita de um boost de energia, a fim de evitar que fiquemos doentes. Convido-vos a ler o artigo completo aqui ou a visitar o site Alegro, onde podem encontrar mais artigos sobre outras temáticas e ficar também a par de todas as novidades.

Para acompanhar o artigo preparei um quinotto, uma receita saudável, com ingredientes sazonais e bastante nutritiva. Inspirado no tradicional risotto, usei a quinoa, que é bastante rica em proteína, substituindo assim o arroz e à qual adicionei curcuma, um dos ingredientes que potencia o fortalecimento do sistema imunitário, com um grande poder anti-inflamatório e uma excelente capacidade anti oxidante. Nesta receita usei ainda cogumelos mas podem usar qualquer outro ingrediente à vossa escolha. É dar largas à imaginação e saborear o que de melhor a Natureza tem para nos dar.




(artigo elaborado em colaboração com o site Alegro)

Dicas para fortalecer o Sistema Imunitário

Com a chegada dos dias mais frios chegam também as gripes e as constipações. Torna-se essencial redobrar os cuidados de saúde e, mais importante do que em qualquer altura do ano, devemos fortalecer o nosso sistema imunitário. É aqui que a alimentação desempenha um papel fundamental. 

O que é o Sistema imunitário?

O sistema imunitário ou imunológico não é mais que um conjunto complexo de órgãos, tecidos e células que tem a função de nos proteger contra microorganismos externos, como alguns vírus, bactérias, fungos e outros parasitas. Ao entrarmos em contacto com estes agentes agressores aumentamos a probabilidade de adoecer.

O sistema imunitário funciona como um escudo protector que nos protege dessas agressões. Quanto mais saudável estiver o nosso sistema imunitário menor a probabilidade de virmos a ficar doentes. Daí a importância de fortalecer o sistema imunitário, recorrendo à alimentação. Ingerindo os alimentos certos, podemos equilibrar ou reforçar o nosso sistema imunitário e dessa forma estamos mais protegidos.

Alimentos que ajudam no reforço do Sistema Imunitário

É recomendado fazer uma alimentação saudável e equilibrada, de modo a fortalecer as nossas defesas e ajudar a prevenir o aparecimento de gripes e constipações. A ingestão correcta de nutrientes, vitaminas e minerais é essencial para que nos mantenhamos saudáveis e com mais energia. 

Mas é na hora de reforçar o sistema imunitário que devemos dar mais importância ao que estamos a comer. Não é de propósito que a Natureza funciona a nosso favor e se prestarmos atenção, numa ida ao mercado, por exemplo, verificamos que é nesta altura que as bancas se enchem de citrinos, cogumelos, abóboras e legumes de folha verde. Não é por acaso que estes são alimentos característicos dos meses mais frios, pois são ricos em vitamina C e estão cheios de propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias que ajudam as células a manterem-se saudáveis. Daí também a importância de ingerirmos ingredientes sazonais. 

Eis alguns exemplos de alimentos que ajudam a fortalecer o sistema imunitário:
  • Legumes e verduras de cor verde escura e de cor alaranjada, tais como espinafres, couve, brócolos, abóboras, cenouras, batata doce e beterraba. Para além das suas propriedades antioxidantes, estes alimentos são ricos em fibras e vitamina C.
  • Fruta da época e variada, dando alguma preferência aos citrinos tais como (...)
(podem ler o artigo completo aqui e ficar a conhecer todas as dicas que vos ajudarão a fortalecer o vosso sistema imunitário)



Quinotto de Curcuma e Cogumelos

Ingredientes: (para 2 pessoas)
| 300 g de quinoa branca
| 3 c. (sopa) de azeite
| 1 cebola pequena
| 50 ml de vinho branco
| 1 c. (chá) de curcuma em pó
| sal qb
| pimenta qb
| 600 ml de água quente
| 1 c. (sopa) de manteiga
| 50 g de queijo da ilha
| 400 g de mistura de cogumelos (shimeji, marron, paris)
| 1 dente de alho
| 100 g de tomate cherry
| 2 c. (sopa) de polpa de tomate
| tomilho fresco
| 1 c. (chá) de amido de milho

Preparação:
1 . Leve um tacho ao lume com 1 c. (sopa) de azeite, junte metade da cebola picada e salteie. Adicione a quinoa, depois de lavada, misture e regue com o vinho branco, mexendo até evaporar. Adicione o açafrão, tempere com sal e adicione 1/3 da água. Deixe cozinhar e vá adicionando mais água à medida que esta evapora, até a quinoa estar cozinhada, mas sem deixar secar.

2 . Adicione a manteiga e o queijo da ilha, envolva e rectifique os temperos, se necessário.

3 . Corte os cogumelos em lâminas e/ou quartos. Leve uma frigideira ao lume com 2 c. (sopa) de azeite, aqueça, coloque os cogumelos e salteie durante alguns minutos, mexendo de vez em quando. Retire e reserve.

4 . Leve a mesma frigideira ao lume com 1 c. (sopa) de azeite, a outra metade da cebola picada, o dente de alho picado e salteie. Junte os tomates cherry em metades, a polpa de tomate, uns raminhos de tomilho fresco, tempere com pimenta e deixe cozinhar durante 3-5 minutos.

5 . Adicione os cogumelos e 100 ml de água e deixe apurar um pouco. Dilua o amido de milho em 2c. (sopa) de água fria e adicione à mistura de cogumelos. Envolva e deixe o molho engrossar a gosto.

6 . Sirva a quinoa com a mistura de cogumelos, folhas de tomilho fresco e queijo da ilha ralado.





Esparguete Integral com Alfarroba, com Pesto de Pistácio e Burrata


As massas serão sempre aquele tipo de ingrediente a que recorro quando pretendo simplificar as refeições na cozinha, ou quando pretendo um prato bem simples, com poucos ingredientes, mas com muito sabor. Aliás, a cozinha italiana, bastante conhecida pelo uso das massas, é para mim um inspiração. Faz uso de um ingrediente tão simples e que facilmente pode ser adaptado e conjugado com outros ingredientes, dando origem a pratos tão deliciosos, independentemente da estação do ano em que nos encontramos. No verão as massas fazem toda a diferença nas saladas, tornando-as mais ricas e saborosas. No Inverno, podem ser usadas em pratos de tacho ou de forno, trazendo aquele colarzinho que nos satisfaz o estômago e alimenta a alma. Não há como não gostar deste ingrediente tão versátil e obrigatório em qualquer cozinha e acho que aqui estamos todos de acordo.


Gosto de variar nas massas que uso cá em casa e desde que experimentei a Esparguete Integral com Alfarroba da Nacional que esta passou a estar sempre presente na minha despensa. Sendo uma massa integral, o que a torna mais interessante do ponto de vista nutricional, esta massa é facilmente adaptável a qualquer tipo de receita, tornando os pratos mais saudáveis e deliciosos. 
Nesta receita decidi fazer um pesto de pistácio ao qual juntei o queijo Burrata, o que resultou num prato bem delicioso e reconfortante. Daqueles que não me importaria de ter na minha dieta, pelo menos uma vez por semana. Não deixem de experimentar esta receita ou pelo menos experimentar este pesto que combina com qualquer uma das massas deliciosas que podem encontrar no site da Nacional. Assim como esta e outras tantas receitas deliciosas e inspiradoras que por lá andam.






Esparguete Integral com Alfarroba, com Pesto de Pistácio e Burrata

Ingredientes:
| sal qb
| azeite qb
| 2 queijos Burrata
| mistura de pimentas qb
| folhas de manjericão p/ servir
{para o Pesto de Pistácio}
| 130 g de queijo Parmesão                 
| 1 dente de alho
| raspa de 2 limões
| sumo de 1 limão
| 50 g de pistácios s/ casca
| 50 g de folhas de manjericão
| 120 ml de azeite virgem extra
| 1/2 c. (chá) de sal

Preparação:
1 . Leve uma panela ao lume com cerca de 1,5 lt de água. Junte uma pitada de sal e um fio de azeite e deixe levantar fervura. Adicione o Esparguete Integral de Alfarroba da Nacional e deixe cozinhar durante 8-9 minutos.

2 . Coloque o queijo Parmesão, em pedaços de 2cm, no copo de um robot de cozinha ou processador e processe alguns segundos numa velocidade alta, até que fique ralado. Retire e reserve.

3 . No copo do processador coloque o dente de alho, a raspa e o sumo de limão, os pistácios, o manjericão e o azeite. Processe numa velocidade média-alta durante alguns segundos. Adicione o queijo parmesão ralado e volte a processar até atingir a consistência desejada.

4 . Retire o esparguete do lume e escorra. Coloque numa taça larga, adicione o molho pesto (reserve um pouco para servir) e misture bem.

5 . Distribua o esparguete por pratos individuais e sirva com o queijo Burrata em pedaços. Polvilhe com pimenta moída na hora, o restante molho pesto e folhas de manjericão.






Quiche de Legumes

 
Desde criança que aprendi a ser poupadinho na cozinha, a não desperdiçar os alimentos e a tirar deles o máximo partido. A maioria da fruta e legumes que entravam na cozinha dos meus pais eram de cultivo próprio. As couves, as abóboras, o feijão, as ervilhas, as favas, os espinafres, as alfaces... tudo era semeado ou plantado de raíz até estar pronto a ser colhido e a trazer para a mesa. Tudo era cultivado com tempo, ao sabor da Natureza, sem pressas. Tudo tinha um sabor diferente. E nada era desperdiçado. O que havia em excesso era oferecido a familiares e vizinhos ou era conservado em sacos de pano e arcas de madeira, para consumir ao longo do ano. As partes menos boas dos legumes e a fruta que não se encontrava em condições para ser consumida, eram dadas a comer aos animais. Naquele tempo e ainda que de forma inconsciente, já era praticada a sustentabilidade alimentar e não havia qualquer tipo de desperdício na nossa casa. Basicamente, tudo era aproveitado e nada se deitava fora. Até as sobras das refeições eram aproveitadas para a sopa do dia seguinte ou para serem transformadas noutra refeição. Éramos auto-sustentáveis e poupávamos em tudo o que podíamos.


Hoje, mais do que nunca, e nem sempre pelos melhores motivos, fala-se imenso em sustentabilidade alimentar e desperdício zero na cozinha. Foi a pensar nestas temáticas que o Alegro me desafiou a escrever um artigo e a criar uma receita. Aceitei com a maior das facilidades, pois a sustentabilidade alimentar continua a fazer parte dos meus dias, em todos os momentos e em todas as refeições. Convido-vos por isso a ler o artigo completo aqui ou a visitar o site Alegro e ler outros artigos sobre outras temáticas diferentes e ficar também a par de todas as novidades.

Em relação à receita, criei algo que faz parte das refeições cá de casa e que agrada a praticamente toda a gente. Uma quiche de legumes, preparada com sobras de legumes de uma outra refeição e que desta forma foram salvos de ir parar ao lixo. Uma receita simples e que pode ser preparada por qualquer pessoa aí em casa, desde a massa até ao recheio. A massa é das minhas preferidas de sempre, meio integral e preparada com azeite. Podem usar em qualquer tarte salgada. O recheio pode ser adaptado ao vosso gosto pessoal, usando os legumes da vossa preferência e adicionando até sobras de proteína animal, como peixe ou frango. 




(artigo elaborado em colaboração com o site Alegro)

Sustentabilidade Alimentar e Desperdício Zero na Cozinha

Reduzir o desperdício alimentar, aproveitar ao máximo os alimentos, poupar tempo e dinheiro e proteger o planeta. Estas são apenas algumas das metas alcançadas quando falamos de sustentabilidade alimentar e desperdício zero na cozinha.

Mas afinal, o que é isto da sustentabilidade alimentar?!

É do conhecimento geral que o planeta Terra está a esgotar os seus recursos. Cabe a cada um de nós adquirir hábitos que ajudem a contrariar essa tendência. Podemos começar por ter uma cozinha mais sustentável, uma vez que esta é a divisão onde diariamente preparamos as nossas refeições, onde planeamos e organizamos a nossa alimentação e onde, consequentemente, desperdiçamos grande parte dos alimentos que adquirimos.

Estima-se que todos os anos* um terço dos alimentos produzidos a nível mundial são desperdiçados. A maioria desse desperdício alimentar acontece nas nossas casas, sendo que cada português desperdiça em média 100 kg de alimentos por ano. Os números são alarmantes e seja por desconhecimento de como utilizar devidamente os alimentos ou de como os conservar, tirando deles o máximo partido, a verdade é que se não agirmos já, se não assumirmos o compromisso de adoptar um estilo de vida mais sustentável, estaremos a comprometer as nossas gerações futuras.

A sustentabilidade está assente num processo que garante as necessidades e desenvolvimento das gerações futuras, permitindo usar de forma inteligente os recursos naturais existentes, preservando-os para o futuro e que está relacionado com o desenvolvimento económico e material, sem causar danos no meio ambiente.

*segundo a FAO - Food and Agriculture Organization (2011) - Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura.

Como ser mais sustentável e evitar o desperdício alimentar?

Se voltarmos atrás no tempo e pensarmos como viviam as nossas avós, chegamos à conclusão que elas já praticavam a sustentabilidade alimentar nos mais pequenos gestos do dia-a-dia. Quem não se lembra dos sacos de pano que serviam para ir ao pão ou para guardar as leguminosas secas? Dos frascos das conservas que eram lavados e reaproveitados para guardar sementes e compotas? Dos guardanapos de pano que eram lavados e reutilizados vezes sem conta? Das borras do café que eram colocadas nos vasos? E das partes mais feias dos legumes que eram utilizadas nas sopas? Alguns gestos simples mas que permitem reduzir o lixo e aproveitar todos os recursos, evitando o desperdício alimentar.

Vivemos numa sociedade de consumismo, tudo é descartável, compramos coisas que não necessitamos, alimentos que muitas vezes não consumimos, produzimos toneladas de lixo (...)

(podem ler o artigo completo aqui e ficar ainda a conhecer os quatro passos importantes no caminho da sustentabilidade alimentar)



Quiche de Legumes

Ingredientes:
{para a massa}
| 120 g de farinha de espelta integral
| 100 g de farinha de espelta branca
| 1 c. (chá) de fermento seco
| 1/2 c. (chá) de sal
| 2 c. (sopa) de azeite
| 1 ovo
| 60 ml de água tépida
{para o recheio}
| 1 cebola pequena
| 2 c. (sopa) de azeite
| 1 courgette média
| 400 g de sobras de legumes cozidos
(usei batata, cenoura e brócolos)
| 100 g de queijo mozzarella
| 4 ovos
| 200 ml de crème fraîche (ou natas)
| 1 pitada de noz moscada
| sal e pimenta

Preparação:
1 . Prepare a massa, misturando as farinhas com o fermento e o sal numa taça. Faça um buraco no meio e junte o azeite, o ovo e a água. Junte e amasse todos os ingredientes com as mãos até obter uma massa homogénea (opcionalmente, coloque todos os ingredientes num robot de cozinha e programe a função "amassar" durante 1-2 minutos).

2 . Transfira a massa para uma bancada enfarinhada e amasse alguns minutos. Forme uma bola e deixe a massa repousar cerca de 15-20 minutos.

3 . Pré-aqueça o forno a 180ºC.

4 . Leve uma frigideira ao lume com a cebola picada e o azeite. Salteie até a cebola ficar translúcida. Junte a courgette em cubos e salteie até amolecer. Retire do lume e reserve.

5 . Estenda a massa com o rolo até esta ter ±3mm de espessura. Forre com a massa uma tarteira com cerca de 23 cm de diâmetro e leve ao forno durante 5 minutos.

6 . Coloque metade do queijo no fundo da forma. Sobre o queijo coloque a courgette e os legumes cozidos em pedaços.

7 . Bata os ovos com o crème fraîche, tempere a gosto com noz moscada, sal e pimenta e verta sobre os legumes. Polvilhe com o restante queijo e leve a quiche ao forno cerca de 30-35 minutos.

8 . Retire a quiche do forno, deixe arrefecer um pouco e sirva com uma salada de folhas verdes.